HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA FAQ CONTATO LOJINHA

Bolo Persa de Água de Rosas


Salam amigos! Atendendo a pedidos, hoje vou compartilhar com vocês a receita do Bolo Persa de Água de Rosas.
Com o sabor suave e aroma delicioso do cardamomo e da água-de-rosas, este bolo é perfeito para servir com chá, e também com café e para servir a qualquer hora do dia.
Originalmente esta é uma versão da receita do Keyk Yazdi que foi testado e aprovado no evento  Celebração Cultural do Ano Novo Persa (Nowruz)em março deste ano, organizado em parceria com o Apropriarte em São Paulo.
Se você ainda não teve a chance de provar, anote aí a receita! 

 INGREDIENTES: 

1 xícara de farinha de trigo
1/2 xícara de açúcar
2 colheres de sopa de água de rosas
2 ovos
½ xícara de óleo vegetal
1 colher de chá de cardamomo em pó
1 colher de chá de fermento em pó
Sementes de gergelim

 MODO DE PREPARO: 

1- Bata 2 ovos em uma tigela até ficarem firmes.
2- Adicione 1/2 xícara de açúcar e misture bem.
3- Adicione 1/2 xícara de óleo vegetal e continue misturando até misturar bem.
4- Adicione 2 colheres de sopa de água de rosas e 1 colher de chá de cardamomo e mexa bem.
5- Misture 1 colher de chá de fermento em pó com 1 xícara de farinha de trigo e peneire-a na tigela.
6- Bata a mistura até obter uma massa homogênea.
7- Coloque a massa em uma forna untada com margarina
8- Espalhe as sementes de gergelim  sobre a massa
9- Pré-aqueça o forno a 170º C e asse por 20 a 30 minutos.
10- Retire do forno, deixe esfriar e faça cortes cruzados no bolo formando pequenos losangos.


 Experimentem e compartilhem a receita à vontade.
 Já experimentou ou tem alguma sugestão? Não esqueça de deixar um comentário!  


CONVITE PARA EXPOSITORES: Bazar Intercultural em São Paulo



Se preferir, preencha o formulário abaixo, entraremos em contato o mais breve possível. 


Após a Copa... Será que as mulheres iranianas poderão entrar nos estádios?

Homens e mulheres assistiram os jogos da Copa no Estádio Azadi em Teerã
Salam amigos! As notícias do Irã sempre agitam o mundo, mas desta vez estamos falando do mundo dos esportes. Após a Copa, o suspense continua... Será que agora as mulheres iranianas ganharam o direito de acessar os estádios? Uma luta que ganhou destaque na Copa do Mundo da Rússia este ano pode estar perto de terminar. 
As mulheres poderão assistir a jogos de futebol em estádios no Irã, anunciou nesta quarta-feira (18) a vice-presidente do país para assuntos de Mulher e Família, Masoumeh Ebtekar (ANSA).
Durante a Copa do Mundo, pela primeira vez em quatro décadas,  homens e mulheres assistiram juntos aos jogos em telões no Estádio Azadi em Teerã. O estádio que foi inaugurado em 1971 ainda é o maior complexo esportivo no Irã e as  mulheres podiam assistir gratuitamente aos jogos  antes da Revolução Islâmica em 1979. 
Segundo a notícia publicada no site Radio Farda, o presidente do Irã,  Hassan  Rouhani,  pediu o acesso contínuo das mulheres ao Estádio Azadi "de maneira apropriada e em cooperação com o Ministério do Interior".  
Um dia depois de se encontrar com Rouhani em Teerã, o presidente da FIFA Gianni Infantino disse a repórteres na sede da Fifa em Zurique: "Recebi a promessa de que as mulheres iranianas terão acesso aos estádios de futebol em breve. O presidente Rouhani me disse que em países como o Irã, essas coisas levam um pouco de tempo ". 
"Não deve haver nenhuma diferença entre homens e mulheres no Islã, e por essa razão as mulheres também devem ser autorizados a participar em eventos esportivos", disse Rouhani em uma reunião com os atletas iranianos em seu escritório em 22 de maio, de acordo com um comunicado divulgado pelo seu escritório. 
O debate sobre o acesso das mulheres aos estádios esportivos no Irã remonta a maio de 2006, quando o ex-presidente Mahmoud Ahmadinejad foi forçado a reverter sua decisão de permitir que as mulheres pudessem assistir as partidas de futebol. Ahmadinejad voltou atrás em sua promessa cerca de um mês antes dos jogos da seleção nacional iraniana na Copa do Mundo na Alemanha,  após comentários  do líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei e clérigos ultraconservadores. 
A abertura do Estádio Azadi para as mulheres assistirem ao jogo  Irã X Portugal em telões, também irritou o clérigo ultraconservador Ayatollah Lotfollah Safi Golpayegani que criticou o governo de Rouhani.  
Um mês antes,  mulheres proeminentes do Irã, incluindo a Prêmio Nobel Shirin Ebadi,  a comediante Shappi Khorsandi, a atriz indicada ao Oscar Shohreh Aghdashloo e a lendária cantora Googoosh em uma carta aberta, pediram que a  FIFA obrigasse o Irã a acabar com a implementação da lei não escrita discriminatória a proibição de mulheres iranianas de entrar em recintos esportivos onde  atletas masculinos competem.
Adaptado de Radio Farda


UNESCO acrescenta 8 locais históricos do Irã à lista de Patrimônios Mundiais


Palácio de Ardeshir (Crédito da imagem: © ICHHTO Autor: B. Sedighi)
No dia 30 de junho durante reunião no Bahrein, a UNESCO acrescentou 8 sítios arqueológicos iranianos pré-islâmicos à Lista de Patrimônios Mundiais, elevando para 24 o número de locais culturais do Irã nesta categoria.

Os locais estão  listados no site da UNESCO como: "Paisagem Arqueológica Sassânida da região de Fars". 

Os oito sítios arqueológicos estão  situados em três pontos no sudeste da província de Fars: Firuzabad, Bishapur e Sarvestan. Essas estruturas fortificadas, palácios e planos urbanos remontam aos tempos mais antigos e mais recentes do Império Sassânida", que se estendia por toda a região de 224 a 658 EC.

 Entre esses locais está a capital construída pelo fundador da dinastia, Ardashir Papakan, além de uma cidade e estruturas arquitetônicas de seu sucessor, Shapur I. A paisagem arqueológica reflete a utilização otimizada da topografia natural e testemunha a influência aquemênida e as tradições culturais partas e da arte romana, que tiveram um impacto significativo na arquitetura e nos estilos artísticos da era islâmica.

A região de Fars foi o berço da dinastia Sassânida que teve início no século III. Os sassânidas dominavam a terra que em seu auge, cobria áreas a oeste do Afeganistão e o Egito. A dinastia finalmente caiu após a conquista árabe sob o califado Omíada em meados do século VII.

Palácio de Ardashir (Crédito: © ICHHTO. Autor: B. Sedighi)

Qal'eh Dokhtar (Crédito: © ICHHTO. Autor: S.H.Rashedi )

 Relevo da Investidura de Ardashir I  (Crédito: © ICHHTO. Autor: B. Sedighi)

Ardashir  Gur  (Crédito: © ICHHTO. Autor: S.H.Rashedi )


Estátua de Shapur I (Crédito: © ICHHTO. Autor:  B. Sedighi)

Relevo da Vitória de Shapur I (Crédito: © ICHHTO. Autor:  B. Sedighi)

Bishapur  (Crédito: © ICHHTO. Autor: S.H.Rashedi )

Monumento de Sarvestan  (Crédito: © ICHHTO. Autor: S.H.Rashedi )