HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA FAQ CONTATO LOJINHA

A história do jazz no Irã

Ingresso para o concerto de Duke Ellington em Abadan, 1963
O jazz chegou ao Irã, juntamente com uma série de outras influências estrangeiras, durante a década de 1960. Duke Ellington e Ella Fitzgerald eram os favoritos entre os aficionados da moda do jazz intelectual do Irã no final dos anos 60, quando o ritmo fazia a trilha sonora dos resorts de verão em Mazandaran, no Mar Cáspio. Porém no final da década de 1970, a Revolução Islâmica trouxe uma proibição de longo prazo à música secular. Nos tempos atuais, as proibições perderam a força e é possível até relaxar ao som do jazz no Museu de Arte Moderna ou nos cafés de Teerã.  

A palavra jazz - ou  jaaz, como os iranianos tendem a pronunciá-lo - estava, no entanto, inicialmente sujeita a algum mal-entendido. "Como a bateria era vista como o principal instrumento do que para a maioria dos iranianos era um estilo musical novo, inicialmente havia uma tendência a se referir a qualquer música que tivesse esse instrumento como jazz", diz o produtor musical de Teerã, Ramin Sadighi. "Um dos maiores pop stars iranianos da época, Vigen Derderian, por exemplo, foi apelidado de  Sultan of Jazz, simplesmente porque sua banda apresentava um baterista."



Vigen, o saudoso "Sultão do Jazz" canta a canção Fenjun Tala 

De acordo com Sadighi, a história do jazz no Irã começa no início dos anos 1960: "A indústria petrolífera do país estava crescendo na época, especialmente na província de Khuzestan, no sudoeste. A maior parte da extração petrolífera era feita pelos britânicos e americanos. As empresas e os funcionários tinham seus próprios clubes - em Ahvaz, Khorramshahr e Abadan, por exemplo - onde tocava jazz. "

Em um artigo publicado no livro "Jazz World / World Jazz" em 2017, o musicólogo e professor Laudan Nooshin, de Londres, descreve o jazz como um interesse minoritário no Irã em comparação com a música pop, mas também aponta que Shah Mohammad Reza Pahlavi fez uso de sua popularidade crescente para promover seu objetivo de transformar o Irã em um estado secular.

Jovens dançando jazz em uma festa em Teerã na década de 1960
Durante esse período, muitas estrelas da música internacional vieram ao Irã e os músicos convidados evidentemente apreciavam o potencial inspirador que as viagens ao país ofereciam. Um deles, o baterista americano Max Roach, aproveitou a oportunidade para trabalhar com percussionistas iranianos tradicionais e em 1969 se apresentou no renomado Festival de Artes de Shiraz.

Em 1963, Duke Ellington também apareceu no palco em Abadan e Isfahan como parte de uma turnê pela Ásia patrocinada pelo Departamento de Estado dos EUA. Três anos depois, seu álbum "Far East Suite" foi lançado, com faixas como "Isfahan", refletindo as experiências e impressões coletadas durante a turnê.


Mas será que havia de fato algum músico de jazz iraniano naquela época? "Sim", diz Ramin Sadighi, "mas eles eram bandas cover, tocando coisas como 'Take Five' de Dave Brubeck, que era muito popular na época. As coisas mudaram na década de 1970 quando muitos grupos voltaram-se para o rock and roll..."

Foi Lloyd Miller  o principal responsável por ampliar os horizontes musicais de muitos dos artistas de jazz iranianos. Nascido em Glendale, Califórnia, em 1938, o etnomusicólogo, compositor e multi-instrumentista americano passou sete anos no Irã, a partir de 1970, realizando pesquisas.

Lloyd Miller em seu programa na televisão nacional iraniana na década de 1970
Com seu próprio programa de jazz no canal de televisão nacional iraniana NIRT, ele explorou os limites da música ocidental tradicional iraniana e moderna sob o pseudônimo de Kurosh Ali Khan, além de tocar piano, clarinete e vários instrumentos de percussão e cordas persas. Sua grande paixão era a improvisação e as sessões com músicos iranianos e não iranianos fariam as conexões entre culturas musicais aparentemente contrastantes visíveis e audíveis.

Embora o jazz tocado pelos iranianos seja agora mais diversificado e variado, Ramin Sadighi reluta em afirmar que músicos de jazz persas têm uma assinatura acústica única, especialmente tendo em vista o fato de que a música secular foi banida por mais de uma década, na esteira da Revolução Islâmica de 1979. "Até que houve um relaxamento das regras na década de 1990 e as coisas começaram a mudar. Com as importações de CDs do exterior permitidas, tornou-se possível comprar discos de nomes como Keith Jarrett e Jan Garbarek. O jazz iraniano existe hoje, mas há elementos da música tradicional persa e de seu sistema modal que se encaixam no jazz tocado aqui. Vestígios ocasionais da música persa também são detectáveis ​​nos ritmos ", disse Ramin. 

O produtor Ramin Sadighi
Ramin Sadighi descreve uma das bandas que ele produz, Quartet Diminished, como uma banda de jazz progressivo. Mas mesmo na música de grupos iranianos que não se veem primariamente como bandas de jazz, traços de gypsy swing, klezmer e outros ritmos relacionados ao jazz estão inconfundivelmente presentes - grupos como o Palett Band de Teerã, por exemplo, são populares tanto no Irã quanto com os iranianos da diáspora.


Esse tipo de intercâmbio entre a cena musical iraniana e as comunidades iranianas exiladas na América e na Europa também acontece com outros artistas. A cantora de jazz e blues Rana Farhan, por exemplo, mora em Nova York, mas suas letras predominantemente fazem referência a sua antiga pátria e poesia persa. Paaz, um coletivo internacional formado em Colônia pela cantora Maryam Akhondy, toca novos arranjos de composições conhecidas dos primórdios da rádio iraniana; suas influências se fundem em uma confluência musical melodiosa de jazz e chanson.


Ao contrário de seus colegas homens, no entanto, nem Farhan nem Akhondy têm permissão para se apresentar no Irã - mulheres solistas ainda estão proibidas há 29 anos após a Revolução Islâmica.

Adaptado de artigo de Bernd G. Schmitz para o site Qantara


Adoce o chá com seu comentário!

Postar um comentário