HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA FAQ CONTATO LOJINHA

CONVITE PARA EXPOSITORES: Celebração do Nowruz - Ano Novo Persa 2018


Se preferir, preencha o formulário abaixo.
 Entraremos em contato o mais breve possível.


Cineclube Apropriarte e Chá-de-Lima da Pérsia apresentam o filme “A Maçã”


EM MARÇO: EVENTO ESPECIAL PARA OS AMANTES DO CINEMA IRANIANO EM SP!

O Apropriarte em parceria com o blog Chá-de-Lima da Pérsia convida a todos para o Cineclube do mês de março com exibição do filme: “A Maçã”. 
Dirigido por Samira Makhmalbaf em 1998, este aclamado filme documentário traz a história real de um pai que aprisiona as filhas durante onze anos dentro de casa em um subúrbio de Teerã como forma de mantê-las protegidas. Alertados pelos vizinhos, o Serviço Social ameaça tirar dos pais a guarda das meninas, que não iam a escola, não recebiam cuidados médicos e sequer tomavam banho há anos. Uma obra prima do cinema iraniano que aborda as relações familiares e os direitos femininos de forma cativante e surpreendente. 
Após a sessão haverá roda de conversa mediada por Janaina Elias, autora do blog Chá-de-Lima da Pérsia.  

CINECLUBE APROPRIARTE: “A MAÇÔ
ONDE: Rua Doutor Homem de Melo, 961 - Perdizes - São Paulo/SP
QUANDO: 09/03/18 - 19h30
Entrada: R$ 10,00


Fotógrafo italiano revela a beleza do cotidiano no Irã

Mulher e crianças se refrescam na fonte da Praça Naghshe Jahan, em Isfahan 


Este mês marca o 40º aniversário da revolução que tornou o Irã uma República Islâmica. Recentemente, o país voltou a aparecer nos noticiários internacionais devido a amplos protestos de rua contra e à favor do regime. Na tentativa de ir atrás das manchetes, o fotógrafo italiano Simone Tramonte viajou pelo Irã no verão passado para capturar imagens da vida comum no país. "Eu queria mostrar o cotidiano do Irã contemporâneo, liderada pelo novo presidente moderado, Hassan Rouhani", diz ele. "Sempre me interessei pelos" países fechados "e ter a oportunidade de estar lá com os locais permite que você veja as coisas de uma maneira muito diferente".
 Ao longo de um mês, ele percorreu o país, de Teerã à cidade sagrada de Qom, depois atravessou as montanhas de Zagros para visitar os nômades Qashqai. Em todo lugar, ele foi recebido com hospitalidade e gentileza. "Tanto homens quanto mulheres gostam de ser fotografados, o que não é o caso da maioria do Oriente Médio", diz ele. Ao viajar com um visto de turista, ele conseguiu documentar o país sem ser monitorado por funcionários do regime.  A aspiração de viver uma vida normal, em um país normal, é o que está alimentando os protestos que estamos vendo hoje, diz Tramonte: "No Irã há um grande desejo de as pessoas serem livres. Eles querem se expressar e estão lutando para encontrar uma identidade sem perder sua memória histórica ".

Confira o resultado da viagem de Simone Tramonte através das imagens publicadas no site WIRED :

Skatistas fazem manobras radicais no Parque Abo Atash, em Teerã

Clientes em um fastfood da cadeia Kentucky City em um shopping center de Isfahan

Mulheres fazem compras com suas crianças no supermercado Hyperstar em Isfahan

Dançar em público é ilegal no Irã, mas estes homens driblam a regra dançando no deserto em Kashan

Grupo de amigos fumam gelian, em um restaurante tradicional em Kashan

Um homem faz suas preces na beira de um autoestrada próxima à Sirjan

Clientes sacando dinheiro de caixa eletrônico. Devido às sanções econômicas, somente iranianos podem utilizar cartões de bancos nacionais.

Mulheres trajando o tradicional chador, no vilarejo de Meymand, onde alguns habitantes ainda residem em cavernas

Membros da tribo nômade Qashqai se movem com as estações procurando pastagens e água para seus rebanhos nas montanhas Zagros
Mulheres dirigem um velho Renault...

Um nômade Bakhtiari assiste a uma tempestade de areia no deserto

Um tecelão trabalha em seu tear em um atelier em Kashan

Mulheres visitam as cachoeiras de Semiron nas montanhas Zagros

Festa de aniversário nos telhados em Yazd

O Túnel de Luz em Isfahan, é um local onde os jovens adoram tirar selfies

Baseado em artigo do site WIRED