HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA FAQ CONTATO LOJINHA

Uma meta e uma inspiração para 2018!


Salam amigos! 2018 está chegando, e eu como muitos, estou ansiosa para a virada do Ano Novo! Apesar de rezarmos os clichês de sempre como: Ano Novo vida nova, novas metas, novos sonhos etc, eu particularmente, me sinto de fato, muito otimista nesta época do ano. E sabe por que me sinto assim? Porque é uma época que costumo reavaliar tudo que planejei e consegui realizar no ano que passou. Como quase todo mundo, nem sempre consigo cumprir tudo o que coloquei na listinha das metas, mas a oportunidade de ter uma visão abrangente da minha vida e saber que alguns passos ainda que pequenos foram dados em direção aos meus sonhos, me tornam mais determinada a seguir adiante.

Em 2017 eu aprendi muito sobre metas: aprendi que elas devem ser mensuráveis e ter um prazo, e que toda meta se divide em micro-metas, ou seja, os pequenos passos que damos para realiza-las. Por isso, em 2018 decidi que vou ter apenas uma meta principal para o blog. 

Minha meta para 2018: tornar o blog Chá-de-Lima da Pérsia 100% profissional

E os passos que darei para realizar esta meta, você acompanhará junto comigo (e eu sei que me cobrará, rsrs) nos próximos posts a cada trimestre! Aguarde!

Enquanto aguardamos a virada do novo ano, dedico a todos, este lindo poema de Rumi, com meus sinceros desejos de que as portas da casa do nosso coração estejam sempre abertas para a paz:

❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁
O ser humano é uma casa de hóspedes
Toda manhã, uma nova chegada
A alegria, a depressão, a falta de sentido,
como visitantes inesperados

Receba e entretenha a todos
Mesmo que seja uma multidão de dores
Que violentamente varrem sua casa e tiram seus móveis
Ainda assim, trate-seus hóspedes honradamente.
Eles podem estar te limpando
Para um novo prazer

O pensamento escuro, a vergonha, a malícia
Encontre-os à porta sorrindo
Agradeça a quem vem,
Porque cada um foi enviado
Como um guardião do além.
 
Mawlana Rumi
❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁❁
Desejo um Ano Novo pleno de paz, amor, felicidade e realizações a todos os Amigos da Pérsia!
🎆🎇🎆🎇🎆🎇🎆🎇


Agradecimento por uma história de 6 Natais


Salam amigos! Enfim, chegou o Natal, momento de refletir sobre a nossa vida e confraternizar com a família e os amigos. Acredito que uma família não é feita somente de laços sanguíneos, mas também de mentes e corações que trabalham juntos na construção de um sonho ou na concretização de uma ideia.

E o que é o blog Chá-de-Lima da Pérsia? Uma grande família, a família dos amigos da Pérsia! Esta família é constituída por todos os leitores e amigos que me ajudam e me apoiam a cada dia com suas sugestões, dicas, críticas construtivas, elogios, materiais culturais, guestposts, doações, adquirindo os meus produtos e sobretudo com seu carinho e respeito por meu trabalho de divulgar a cultura iraniana no Brasil.

É com muita gratidão que estamos juntos há 6 Natais! E com Fé e dedicação, estaremos juntos por muito mais tempo!

Deixo com vocês, uma adaptação de um poema de Mawlana Rumi, que originalmente foi escrito para o Ano Novo Persa, mas que reflete bem o sentimento da palavra Natal, ou seja, o "Nascimento" de uma nova vida:
Você nasceu com potencial
Você nasceu com bondade e confiança
Você nasceu com ideais e sonhos
Você nasceu com grandeza
Você nasceu com asas
Você não nasceu para rastejar
Então aprenda a usar suas asas e voar.

(Mawlana Rumi)

 کریسمس مبارک به همه دوستان ایران
Feliz Natal com muito amor a todos os Amigos da Pérsia!
🎄


Participe do jogo da Yalda: “Você pergunta e Hafez responde”


Salam amigos! Hoje à noite os iranianos celebrarão a Shabe Yalda, ou “Noite do Nascimento” uma tradição da antiga Pérsia que marca o solstício de inverno (fim do outono), a noite mais longa do ano no hemisfério norte.

Um dos costumes mais populares desta data é a leitura de poemas durante toda a noite, especialmente os de Hafez. Os poemas de Hafez também são utilizados como uma forma de adivinhar a sorte. Em persa este costume é chamado de Fal-e Hafez. Cada membro da família, faz uma pergunta, abre o livro aleatoriamente e o membro mais velho da família deve ler em voz alta o que Hafez está respondendo para esta pessoa.

Em homenagem a este dia, vou fazer uma brincadeira chamada “Você pergunta e Hafez responde”:  
Fiz algumas perguntas, pensei em um número (de 340 a 692) e consultei no meu e-book Divan Hafez (porque infelizmente não tenho o livro de papel)  o poema de número correspondente e fiz uma tradução livre dos versos que mais se aproximavam de uma resposta.

 Veja o que o “oráculo de Hafez” respondeu para mim :

Pergunta: Eu voltarei a viajar para o Irã em breve?   
Hafez responde: “Quando (na primavera), a rosa levantar seu véu; e o pássaro piar: “hu-hu’ (...)  Da cor e perfume da primavera, ergue-se um tesouro (...)

Pergunta: O que devo esperar do ano de 2018? 
Hafez responde: “Embora do fogo do coração, como uma (espumante) jarra de vinho, em tumulto eu esteja. O selo (do silêncio) em meu lábio pressionei, bebi o vinho (da tristeza) e em paz eu estou.”   

Pergunta: O que o blog Chá-de-Lima da Pérsia deve trazer de novidades em 2018?   
Hafez responde: “Este é um tempo quando na expectativa, tu te mantiveste (..) Maravilha! Daqueles vazios de conhecimento, a esperança da saciedade tu mantiveste(...)

Nossaaaa! Muita coisa fez sentido para mim! Mas creio que só para mim, porque cada um sabe em seu coração o que o verso quer dizer. E mesmo que não faça sentido agora, pode ser que faça nos próximos dias, meses, anos...

PARTICIPE VOCÊ TAMBÉM DO JOGO DA YALDA:

  • Faça a sua pergunta nos comentários do blog,  no post em nossa Fanpage ou no grupo Amigos da Pérsia.
  • Pense em um número de 340 a 692.
  • Veja o que o poeta Hafez responde para você!


ATENÇÃO: o prazo de envio das perguntas é só até amanhã  22/12/17 fechando às 22h, porque O Hafez não  quer passar o feriado de  Natal todo respondendo perguntas rsrs...

LEMBRE-SE: este jogo é só uma brincadeira de interação, embora os iranianos levem muito a sério esse costume, não leve o que for dito aqui ao pé da letra!

Quer conhecer outras tradições da Yalda?

❃ Shab-e Yalda mobarak aos iranianos e
amigos da Pérsia do mundo inteiro!
 


Os parentes iranianos do Papai Noel

 Amu Nowruz, o bom velhinho iraniano
Salam amigos! Já está chegando o Natal, essa época linda em que as ruas e as casas estão enfeitadas com muitos símbolos e personagens que todos nós conhecemos, certo? Pergunta: qual é o  primeiro personagem que vem a sua mente quando falamos do Natal? 

(  ) O menino Jesus     (X) O Papai Noel 

Pois é! Mas, deixando as reflexões para depois... Agora imagine que você resolveu viajar para o Irã no mês de Março (os iranianos celebram o Ano Novo neste mês, no início da Primavera), e de repente, andando pelas ruas, você dá de cara com um:

 “Papai Noel iraniano" (?!) 

Olhando bem, ao invés das roupas vermelhas ele tem, uma roupa mais colorida, talvez verde, vermelho e branco, e  assim como o seu primo distante no ocidente, ele também segura um cajado e traz presentes e para as crianças! Mas o nome dele é: AMU NOWRUZ, o “Tio do Nowruz” (veja também o post Amu Nowruz, o bom velhinho do Ano Novo Persa)! 

Amu Nowruz
Fala sério gente! É muita semelhança entre os dois personagens! Sem falar que o Amu Nowruz também é chamado às vezes de Baba Nowruz (Papai do Ano Novo).  

Mas quem será que veio primeiro? 
Papai Noel  ou Amu Nowruz?

As tradições do Nowruz, ou Ano Novo iraniano, remontam à antiga Pérsia (c. 3000 anos), mas ainda hoje são observadas pelo povo do atual Irã. A origem do Amu Nowruz é obscura, mas provavelmente tem relação com a antiga crença zoroastriana dos Fravashis, ou espíritos guardiães de cada mês do ano. A lenda do Papai Noel, Santa Claus (São Nicolau) para os anglófonos, surgiu no século IV d.C.

Haji Firuz 

Além do Amu Nowruz, um outro personagem desta época é o Haji Firuz, um alegre arauto de roupas vermelhas e rosto negro, que às vezes usa um chapéu parecido com o do Papai Noel.  Ele canta e dança tocando tamborim anunciando a chegada do novo ano para todos. O toque das canções do Haji Firuz, é bem parecido com o das canções natalinas que conhecemos. Por exemplo: “Chegou o Nowruz, trazendo amor e paz! “(Troque a palavra Nowruz por Natal!)
Naneh Sarma e Amu Nowruz
Os iranianos também têm a sua própria Mamãe Noel! O nome dela é Naneh Sarma, ou “Mamãe do Inverno”. Eu já postei aqui no blog a história dela, mas para resumir: Naneh Sarma é uma velhinha fofa de cabelos brancos como a neve, e o Amu Nowruz é o amor da vida dela (em algumas histórias, ele é o filho dela). A cada ano, ela espera seu amado, mas como ele só chega na Primavera, e ela pertence ao Inverno, ela sempre acaba adormecendo, e eles nunca se encontram L...  

Iranianos vestidos como os personagens Amu Nowruz e Haji Firuz nas ruas
Quase todo mundo tem um parente que se veste de Papai Noel no Natal certo? No Irã, também é comum encontrar pessoas que se vestem como os personagens e bonecos que enfeitam as ruas, os shoppings centers e as casas na época do Nowruz.  

 Eu acredito que a partir de agora você nunca mais vai celebrar o Natal sem pensar no Irã!

Quer um pouco mais de curiosidades natalinas, então leia também:

(Referências: italki e All Empires) 


Apresentação da Darvag Band em SP: um presente do Irã para o público brasileiro



 Darvag Band: concerto de música iraniana em São Paulo
Salam amigos! No dia 01 de dezembro de 2017,  tivemos a honra de prestigiar um espetáculo inesquecível. O conjunto musical Darvag Band apresentou pela primeira vez no Brasil um concerto de música iraniana. O evento gratuito, em única apresentação, foi organizado pela Embaixada do Irã e pela Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.   


Pouco antes das 21h, um público composto de iranianos e brasileiros apaixonados por música e cultura, entre eles queridos amigos e seguidores do blog aguardava com curiosidade o espetáculo no hall do acolhedor Teatro Cacilda Becker, localizado no bairro da Lapa, em São Paulo.

A Moça do Chá e amigas aguardando  ansiosas pelo espetáculo 
No palco, lindamente ambientando com tapete persa e mobiliário em estilo nômade, o conjunto formado por Hamid Reza Seyednia (maestro, daf e santur), Ehsan Naderian (vocal, daf e daryeh), Seyed Majid Naghibzadeh (vocal, tambor de zurkhaneh e daf), Saeid Seyednia (oud e kamanche), Hassan Ruhinia (flauta ney, gushmeh e gaita anbon) e Amin Bahman Saffar (tar, tonbak e daf) deu início a uma noite mágica e surpreendente, com plateia lotada.


O grupo Darvag inicia o espetáculo com um repertório clássico iraniano
Platéia lotada no Teatro Cacilda Becker

Casa cheia, público maravilhado com a apresentação!
 Durante o concerto, foram apresentados 5 estilos de música tradicional e regional iraniana: um repertório clássico, composto de canções em estilo tradicional, com ênfase para o arranjo instrumental e solos de cordas do santur e alaúde; percussão com daf, tonbak e tambor de zurkhaneh, interpretação da música regional Khorasani, interpretação da música regional do sul do Irã, entre outras improvisações.


Viajamos pela riqueza poética da música clássica iraniana
E conhecemos instrumentos exóticos e ritmos contagiantes
O público iraniano, com certeza se sentiu de volta à sua terra natal e os brasileiros ficaram maravilhados com a sonoridade hipnotizante dos instrumentos exóticos. Viajamos pelo sons  celestiais das cordas do santur e do oud, passando pela poderosa e variada família de percussão como o daf e o tonbak, e indo de encontro aos instrumentos de sopro como a melódica flauta de bambu ney e a exótica gaita de foles ney anbon, típica do sul do Irã. Os iranianos presentes na plateia marcavam o ritmo batendo palmas e cantavam junto as canções populares, enquanto os brasileiros se juntavam à alegria festiva que tomava conta do ambiente. Teve até os rapazes que se levantaram para dançar!   

Os rapazes que deram um show de dança! :)
Seria impossível, tentar descrever somente com palavras o sentimento de assistir a um concerto de música iraniana pela primeira vez aqui no Brasil. Somente quem esteve presente pôde sentir de perto a riqueza e a essência desta arte. Segue alguns depoimentos:

Lucia Carlessi: "Fomos assistir ao concerto da banda iraniana Darvag e foi uma experiência maravilhosa, me encantou! Conhecer um pouco da sua musicalidade, com uma percussão vigorosa e muito alegre. Vi instrumentos novos, que me encheram de curiosidade e a alegria da plateia, predominantemente iraniana foi contagiante. Assim, cada vez mais esse país me atrai a conhecer sua cultura e seu povo.” 
Amine Mustafe: “Estou muito agradecida pelo convite, foi certamente um dos três espetáculos mais lindos que já vi na minha vida, ao lado somente da apresentação de Qanun e do Circo da China. Parabéns ao Blog Chá de Lima da Pérsia pela divulgação!!” 
MH Yazdi: "A primeira vez que eu vi o cartaz do concerto, mesmo não conhecendo a banda, me emocionei por ter oportunidade de ouvir música tradicional iraniana ao vivo aqui em São Paulo. Sempre fui curioso para ver a reação dos brasileiros quando apreciam musica iraniana ao vivo e fiquei muito contente com o retorno positivo e empolgação dos brasileiros. Foi tudo muito simples porém muito bonito. Espero que trocas culturais que nem esse concerto, aconteçam mais vezes entre os dois países."
Luana Viegas: "Amo conhecer novas culturas e não poderia perder a oportunidade de assistir, pela primeira vez, um concerto de música iraniana. Foi incrível! Os músicos são muito talentosos e a melodia mexeu, de fato, com quem estava presente. Fiquei encantada com o som dos instrumentos, a sincronia com que eles tocavam e cantavam. Foi uma grande experiência e espero muito que ela se repita. Também não poderia deixar de lado algo que me chamou a atenção. Assim como brasileiros, a plateia também continha iranianos. Dava gosto de ver a alegria dos iranianos que dançavam ao som de seus conterrâneos. Sempre é bom ter um pouco do país, nem que seja por algumas horas, perto da gente Amei!" 
A presença da comunidade iraniana 


A seguir tive a honra de conseguir uma pequena entrevista com o grupo, traduzida pelo gentil Sr.Mohsen Khademi:

Chá-de-Lima da Pérsia: O que significa o nome do grupo Darvag? 
Darvag Band: Darvag na verdade é um grupo tradicional bem antigo da cultura persa, de quase 1500 anos atrás. Todo o povo iraniano gosta deste tipo de música tradicional do país.

Chá-de-Lima da Pérsia: Como foi estar pela primeira vez aqui no Brasil?

Darvag Band: Na verdade, nós nos apresentamos em vários países do mundo. E aqui pela primeira vez, porque a colônia iraniana é bem pequena, se compararmos por exemplo com os imigrantes dos países árabes que são mais de 5000 pessoas. Aqui no Brasil tem no máximo 700 ou 800 iranianos, por isso, a música iraniana é algo muito novo para o povo brasileiro. Mas se Deus quiser, no ano que vem, virão muitos grupos aqui para apresentar concertos tradicionais do Irã.

Chá-de-Lima da Pérsia: Vocês conhecem a música brasileira?

Darvag Band: Sim, conhecemos mais ou menos a música sertaneja do Brasil. Nós gostamos muito do forró, a música popular.

Chá-de-Lima da Pérsia: Qual é a mensagem principal deste concerto?

Darvag Band: É transmitir paz, uma mensagem universal. Mas também para mostrar a cultura do nosso o país, a paz que existe em nosso país. E também para mostrar a amizade do povo brasileiro com o povo iraniano.

Chá-de-Lima da Pérsia: Muito obrigada Darvag Band, estamos honrados com sua presença aqui no Brasil, foi uma noite inesquecível, esperamos vê-los de novo muito em breve!
Realmente, esta apresentação ficará gravada para sempre em nossos corações. Eu confesso que já estou com saudades e ansiosa pelo próximo concerto de música iraniana no Brasil! E vocês?
Agradecimentos muito especiais à minha querida amiga Karla Mendes da Embaixada do Irã, que me cedeu em primeira mão o material de divulgação do evento, ao Sr. Nematollah Sheikhi, que também me enviou material de divulgação, fotos e vídeos, e me ajudou a entrevistar os músicos. E a todos os amigos que aceitaram meu convite e estiveram presentes no evento e se emocionaram!


>>  Fiquem com um vídeo com trechos do concerto da Darvag Band: 



Deixe seu comentário e vamos mostrar que nós brasileiros também amamos a música e cultura iraniana!