HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA FAQ CONTATO LOJINHA

Estampa cashmere, paisley ou boteh, qual sua real origem?


Você sabia que a  estampa conhecida como cashmere ou paisley, que está muito na moda hoje em dia tem origem no Irã? Os antigos antigos persas a chamavam de botteh, cujo significado é "arbusto" ou "pequena árvore". Alguns associam essa estampa a folha de palma ou trevos, ou a um botão de flor. No Azerbaijão e na Caxemira (Norte da Índia), o nome que designa esta estampa é buta. 

Enquanto na história recente, o design é primariamente conectado ao Termeh, um tecido artesanal feito de seda bordado à mão, típico das regiões de  Yazd e Kerman, no Irã, assim como às echarpes de lã da Caxemira, o padrão original remonta às tapeçarias dos antigos povos arianos, onde foi difundido em sua área de influência e comércio. 

Tradicional tecido  Termeh de Yazd

Segundo especialistas, o padrão botteh aparece em uma incrível variedade de exemplares tanto nas artes pré-islâmicas quanto do período islâmico do Irã. As primeiras manifestações deste antigo motivo foram encontradas na arte dos citas e dos aquemênidas, representando provavelmente as plumas das asas do lendário pássaro Homa. 

Representação das plumas do pássaro lendário Homa (arte: Kiyanapolis)

Outra referência está no alto Egito, em uma cidade chamada Akhmim, onde fragmentos de seda  dos séculos VI e VIII revelam um motivo similar ao boteh, representando uma espécie de motivo floral que não foi encontrado em outra região do país. Esta cidade egípcia que esteve sobre o controle dos persas, durante o reinado de Dário (522-486 BCE), também era um dos extremos da antiga Rota da Seda.   

Detalhe do padrão boteh da seda egípcia de Akhmim

Seda egípcia de Akhmim

Nas artes do final dos período Sassânida, e nos primeiros séculos do islã, no Irã, há uma relação simbiótica entre o cipreste e o botteh, simbolizando a árvore da vida para os Zoroastrianos. Outras fontes também se referem ao botteh como a chama sagrada de Zoroastro, o que é corroborado pela tradição do Azerbaijão, onde o buta é considerado como o símbolo do fogo. 

Casa zoroastriana em Yazd, Irã
Casa Abbasian, em Kashan, Irã

Há diferentes variedades e formas de boteh. Estas diferentes formas podem também estar relacionadas às derivações de estilo e às vezes podem estar juntas em um mesmo desenho, seja este um tecido, um tapete ou uma gravura. Veja alguns exemplos: 

Diferentes padrões de botteh, encontrados na tapeçaria persa 

Bloco de impressão para tecidos (Ghalamkari), original de Isfahan, Irã 

Exemplares de buta, originários do Azerbaijão
As especulações sobre a origem do boteh, vão ainda mais longe. Poderia ser o símbolo chinês do yin-yang um parente distante deste motivo persa? Exceto por uma gravura em estuque relativamente moderna (séc. X), encontrada em Nishapur no nordeste do Irã, não há outros exemplos similares do boteh representado à maneira de um  yin-yang. Estes painéis de estuque foram descobertos durante a expedição do Museu  Metropolitan entre as décadas de 1930 e 1949. A cidade de Nishapur se situava na junção das rotas arianas (Rota da Seda), onde provavelmente havia grande influência dos chineses. Os painéis datam do período Abássida do Irã, após o final da era Sassânida. 

Painel em estuque de Nishapur (Irã), boteh representado em formato de ying-yang

Cashmere ou Paisley

Os primeiros exemplares do boteh na Caxemira, datam do séc. XV, trazidos pelo sultão Zein-al-Aabedin do Irã para a Índia, tornando-o popular através das famosas echarpes de lã de Caxemira, de onde se originou o nome estampa de Cashmere. 
Por fim, o nome ocidental do boteh, é oriundo de uma cidade da Escócia, chamada Paisley, que já foi especialista na produção de echarpes e xales decorados com o motivo boteh
Na primeira metade do séc. XVII, os britânicos trouxeram os artigos do norte da  Índia para a Europa. No entanto, a produção européia industrial jamais poderia se comparar aos produtos artesanais trazidos da Ásia, com as técnicas ancestrais da Pérsia e Caxemira.
Aqui no Brasil, a estampa se tornou popular na década de 1970, através da moda hippie. Atualmente, ela continua em alta em todo tipo de roupas e acessórios fashion e até mesmo em objetos decorativos. 



E você, também é fã da estampa? Agora que  já sabe de onde ela vem, saia ostentando com orgulho um alegre e colorido boteh! 


(Baseado em Zoroastrian Heritage )


Adoce o chá com seu comentário!

Postar um comentário