HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA FAQ CONTATO LOJINHA

Um passeio por Shiraz - parte I: A cidade dos poetas

Túmulo do poeta Hafez em Shiraz (imagem: Jackie Abramian)
Quem deseja conhecer a  história da Pérsia, revisitando desde os palácios dos antigos reis até os túmulos dos mais famosos poetas que são patrimônios da humanidade, sem dúvida deve visitar Shiraz. Capital da província de Fars, localizada no sul do Irã, Shiraz é a quinta cidade mais populosa do Irã, e desde o séc. XIII tem sido o mais importante centro das artes e literatura persa. Protegida pelas montanhas de Zagros, a cidade guarda em seus arredores relíquias da antiga Pérsia; como as ruínas da capital cerimonial do Império Aquemênida, Persépolis, e os túmulos dos antigos  reis persas em Naghsh-e Rostam e Pasárgada. Shiraz, é também o terceiro maior centro de peregrinação religiosa do Irã, depois de Mashhad e Qom. 
Há uma grande variedade de pontos turísticos que devem ser visitados em Shiraz, embora a maioria destes locais cobre uma taxa de visitação que é um pouquinho maior para os estrangeiros. No topo desta lista estão os túmulos dos mais amados poetas persas: Hafez e Saadi
Além do trânsito congestionado do centro da cidade, no extremo norte da Rua Golestan - uma rua de paralelepípedos cercado por extensos jardins e antigos muros dos limites da cidade, encontra-se o Aramgahe Hafez, o Mausoléu de Hafez (1315-1390) ou Hafeziye como é conhecido popularmente.
Memorial de Hafez, um dos pontos turísticos mais importantes de Shiraz
Nascido em uma cidade famosa pela poesia e literatura, a poesia de Hafez reflete a sabedoria sufi (misticismo Islâmico), a admiração da amada, os prazeres do vinho e a serenidade dos jardins floridos que eram seu refúgio. Uma das grandes figuras do sufismo, os poemas de amor de Hafez, compilados no livro Divan e Hafez , são comumente usados para adivinhar a sorte pelos iranianos, por isso toda casa iraniana tem um exemplar deste livro.
Por causa desta tradição, alguns vendedores ficam na entrada do Memorial de Hafez com caixinhas cheias de papeizinhos, de onde por 25 centavos de dólar, fazem um canário retirar com o bico um poema especial que predirá o futuro da pessoa.

Vendedores usam canários para retirar versos da sorte 
Dentro dos portões, um jardim sereno com rosas e altos álamos refletidas por piscinas retangulares, levam a um pavilhão com grandes colunas adornado com os versos de Hafez, abrigando o túmulo onde o poeta descansa.

O jardim que conduz ao túmulo de Hafez 
O arqueólogo e arquiteto francês, André Godard, restaurou e redesenhou o memorial em 1931 aumentando o túmulo, circulando-o com cinco degraus e colunas de oito metros que sustentam uma cúpula de cobre, no topo do túmulo revestido em mármore. A cúpula, que simboliza um chapéu característico dos sufis, possui um extraordinário mosaico no interior.

Pavilhão que abriga o túmulo do poeta Hafez 
Considerado o incomparável mestre do Ghazal, a poesia lírica rimada, Hafez ainda é recitado, memorizado e cantado por todo o Irã e também no mundo. Após visitar o túmulo lotado de turistas e admiradores, é possível se refugiar na serenidade dos jardins ou comprar lembranças nas lojinhas de artesanato que ficam dentro do complexo.
Lojinha de artesanado no memorial de Hafez
A uma pequena distância de táxi do Hafeziye na parte nordeste da cidade, fica o túmulo de Saadi (1210 - 1292), o segundo poeta mais amado de Shiraz. Um ávido viajante que viveu em diferentes partes do Oriente Médio, Saadi retornou para sua terra natal para se tornar um dos mestres da tradição literária clássica escrevendo obras poéticas como  Bostan (O Pomar) e Golestan (O Jardim das Rosas).
Túmulo do poeta Saadi em Shiraz
Interior do túmulo de Saadi
Os jardins sempre tem sido a peça central da arquitetura persa e em Shiraz certamente não faltam magníficos jardins. O famoso Jardim de Affif Abad, inclui uma mansão real, um museu de armas históricas com um magnífico jardim que é um dos mais antigos de Shiraz. Tendo sido um palácio durante a era Safávida (1502 -1706) o exército restaurou toda a sua estrutura 1962 que agora funciona como um museu de armas.

O Jardim de Affif Abad
Na entrada do palácio há dois canhões que antigamente disparavam anunciando o começo do Nowruz (o Ano Novo Persa). O hall de entrada é magnificamente decorado com mobiliário e antiguidades do mundo todo. Cada sala no palácio é decorada em diferentes esquemas de cores.
Entrada da mansão real  no Jardim de Affif Abad
Uma das salas da mansão real ricamente decorada
Após visitar estes locais, você pode querer jantar no Restaurante Soufi (Rua Sattarkhan) que é decorado com motivos e símbolos sufis, no qual os visitantes apreciam a culinária persa tradicional com música tradicional persa ao vivo.
Restaurante Soufi, em Shiraz 
Um pão Sangak saindo do forno, é servido com queijo Fetah, hortelã e manjericão, acompanhado de uma salada Shirazi, uma deliciosa combinação de pepino, tomate e cebola picada temperada com hortelã e limão. Em seguida, o prato principal de Kabob Kubideh (espetinho de bife grelhado) com tomate grelhado, arroz com açafrão, batatas fritas, hortelã, picles e cebolas.
Kabob Kubideh e outras especialidades de Shiraz
Bem próximo do restaurante, uma padaria oferece as especialidades locais e bolos artisticamente decorados, onde você pode completar sua experiência culinária Shirazi com uma pasta de gelatina açucarada chamada Ghasmati.
Docest típicos iranianos em uma padria de Shiraz 
Mas nenhuma visita a Shiraz poderia estar completa sem explorar o antigo Bazar Vakil (construído no séc. XI). O labirinto de lojas se abre para vastos terraços, com piscinas rasas nos centro e circundados com entradas em arco, que por sua vez se abrem para outros estabelecimentos, lojas e restaurantes. A maioria dos comerciantes no bazar ainda usa as regras antigas para o comércio diário. Canários em gaiolas cantam uma sinfonia em meio à algazarra de vendedores anunciando seus preços e carrinhos de mercadorias ziguezagueando ao redor dos fregueses que pechincham o melhor preço para suas compras.

No próximo post vamos conhecer Persépolis e outros tesouros da antiga Pérsia ...
Adaptado do artigo de Jackie Abramian para o site Huffington Post


Adoce o chá com seu comentário!

Postar um comentário