HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA FAQ CONTATO LOJINHA

Salam 2015! Feliz Ano Novo!!!

"Ave na Casa Abbasian em Kashan", foto de Janaina Elias (2013) 

Que o Ano Novo traga alegrias multiplicadas

  Tristeza, dor e mágoa sejam apagadas de nossas faces

  Que as faces da Mãe Terra fiquem rosadas com o calor dos abraços

  E que a prosperidade seja arremessada em todas as direções

  Que suas palavras sejam doces, e seu espírito uma vívida fragrância


(Adaptação de um poema persa) 

 Feliz 2015! Sale no mobarak!     


2015 chegando: é momento de planejar!


Salam amigos da Pérsia! Em 2015 o blog Chá de Lima da Pérsia completará 3 anos de vida! E que história linda! Nessa caminhada realizei meu grande sonho de viajar para o Irã, fiz muitas amizades aqui no Brasil e lá também, e tive muitas outras surpresas maravilhosas. Mas como todo final de ano, é momento de refletir sobre o que fizemos e deixamos de fazer. Sinto que esse ano o blog diminuiu bastante o ritmo das postagens e andei deixando a desejar em alguns quesitos.
A verdade é que trazer tantas informações inéditas sobre o Irã, aumentou cada vez mais as expectativas  dos leitores. Mas ao longo do ano, outras obrigações na minha vida profissional e pessoal acabaram limitando a minha dedicação ao blog, apesar de eu me esforçar para atualizar diariamente a nossa Fanpage no Facebook. No entanto, eu quero e pretendo esse ano continuar produzindo um conteúdo de qualidade e também trazer algumas novidades. 
Então, eis algumas das Metas para 2015 para o nosso Chá-de-Lima da Pérsia:

 Organizar as páginas do blog por temas para facilitar a busca de conteúdos: 
Navegar em um blog com 3 anos de existência nem sempre é fácil e nem sempre a caixinha de pesquisa dá conta de "escarafunchar" tanto conteúdo. Um dos objetivos este ano é mapear todas as postagens em categorias específicas: Atualidades, Arte e Cultura, Língua Persa e Viagens.

 Organizar os temas das postagens em um cronograma mensal, mínimo de 3 posts por semana: 
Esta é uma meta que venho tentado por em prática desde o início do blog, e quase consegui durante um tempo. A ideia é fixar os assuntos em um dia específico do mês e deixar as postagens agendadas quando não houver possibilidade de atualizar o blog.  

 "Aulinha de persa" uma vez por mês:
Embora não sejam um conteúdo de ensino formal, as "aulinhas de persa" do blog tem servido de incentivo para  muitos leitores que desejam iniciar o estudo da língua oficial do Irã. Por isso, pretendo dar continuidade e indicar as fontes na internet, atendendo a pedidos postar o mínimo de uma aulinha por mês. 

 Filmes do "Cinema Iraniano", toda primeira sexta-feira do mês: 
 Este ano fiquei em dívida com esta seção, uma das mais amadas do blog! Vou fazer todo o possível para cumprir a meta de um filme por mês. E também pretendo fazer posts especiais apresentando os atores e diretores mais amados do Irã. 

 Guest posts com "Relatos de Viagem ao Irã": 
A ideia é convidar outros leitores que queiram enviar seus relatos, fotos e/ou vídeos de viagem ao Irã, para criarmos uma galeria  de experiências aqui no blog!   

 Rádio virtual "Vozes da Pérsia"
Este projeto, que já está em andamento, consiste em criar um outro blog apenas para divulgar a música do Irã. Haverá música tradicional, folclórica, pop atual e pop nostalgia! 

 Loja virtual "Flor Azul da Pérsia": 
 Este ano também estou tentando iniciar meu lado empreendedora. Inicialmente a ideia é vender alguns produtos importados do Irã e trabalhos artísticos personalizados. 

 Conteúdo exclusivo para a Fan Page no Facebook:
Por ser a única página do Facebook em língua portuguesa dedicada exclusivamente a cultura do Irã, o Chá de Lima da Pérsia terá seu próprio conteúdo especial e inédito.

 Canal no Youtube: 
Como eu sou uma pessoa tímida em último grau, não me sinto à vontade para gravar depoimentos em vídeos rsrs...  Mas pretendo criar um conteúdo especial, didático em vídeo para divulgar a cultura do Irã e quem sabe futuramente, algum conteúdo sobre a língua persa... 

E então amigos, vocês tem mais sugestões? Estou aguardando nos comentários!
Um Ano Novo pleno de harmonia e realizações para todos!  


Feliz Natal, Amigos da Pérsia!

Salam queridos amigos! Vim aqui para desejar a todos um FELIZ NATAL e agradecer pelo carinho e amizade que sempre recebo dos leitores deste blog! Quero que saibam que considero a todos vocês como parte de uma família muito especial que tem como laço de união o amor pela cultura do nosso querido Irã. 
E para comemorar em grande estilo deixo com vocês um maravilhoso dueto musical com o astro da música pop iraniana Ebi e a grande cantora israelita Liel Kolet com a canção I Can Hear the Christmas. Que independente de nossas crenças, possamos sempre celebrar a paz, o amor e a união entre todos os povos do mundo!



       Feliz Natal!!      
    !عید کریسمس مبارک     


Omid - Tekieh Gah

Salam amigos! Faz tempo que não compartilho música aqui no blog né? Então para matarmos a saudade, com vocês, um cantor que considero uma das mais belas vozes persas: Omid Soltani, interpretando a canção pop nostalgia Tekieh Gah (o nome da música é uma expressão persa que significa "alguém ou algo em quem se apoiar"). 


sareto bezar ru shuneham khabet begire
bezar ta aroom dele bitabed begire
behem nagu az ma gozashte dige dire
hata man az shenidanesh geryam migire
geryam migire

bezar ru sinam sareto
cheshmaye khisso taneto
bezar ta sir negaht konam
buh bekesham pirhaneto
baghal kono bechasb behem
bekesh dobare dast behem
jos to kassiro nadaram
nazdiktar az Nafas behem

sareto bezar ru shuneham khabet begire
bezar ta  aroom 
dele bitabed begire
behem nagu az ma gozashte dige dire
hata man az shenidanesh geryam migire

vaghte cheshat khabesh miad
adam ghamash yadesh miad
ye halati to cheshmate
ke eshgh khodesh bahash miad
vaghte cheshat khabesh miad
adam ghamash yadesh miad
ye halati to cheshmate
ke eshgh khodesh bahash miad

sareto bezar ru shuneham khabet begire
bezar ta aroom dele bitabed begire
behem nagu az ma gozashte dige dire
hata man az shenidanesh geryam migire



Um poema de Foroughi Bastami

Mirzā Abbās Bastāmi (1798-1857) conhecido como  Foroughi Bastami, foi um poeta persa que viveu durante a era  Qajar. Ele nasceu em Karbala (atual Iraque), enquanto sua família estava em viagem por essa cidade.  Por ter vivido durante um período na cidade de Bastām ele ficou conhecido como Bastāmi. Também trabalhou para Shojā-o-soltān e escolheu seu nome poético Foroughi em homenagem ao filho de seu patrono. (Fonte: Anwers.com)
A belíssima caligrafia abaixo foi enviada por um querido amigo iraniano que me explicou que este é um poema místico no qual Bastami descreve uma alegoria do amor divino, no qual ele vê a Deus como "o Amado". A tradução foi feita livremente por mim a partir do inglês: 

Poema de Foroughi, em caligrafia persa estilo Nastaliq
A melhor hora para mim é quando  vejo a face do meu Amado
Eu amo o aroma e o caminho do meu Amado...
Nada me dá mais felicidade do que a tristeza do amor...
Eu não quero e não me basta o paraíso sem o meu Amado...
                                                                       Foroughi Bastami


Planejando sua viagem para o Irã

Mapa do Irã
Salam amigos! Neste post são respondidas várias perguntas para quem está planejando viajar para o Irã  pela primeira vez e ainda está em dúvida de como se preparar: 

Quando viajar?
Se você não quer pegar muito frio nem muito calor, a época mais recomendável é entre 1º de Abril e meados de Maio, ou durante o outono (Setembro e Outubro). Durante o verão a temperatura varia entre 30 a 40°C em diferentes lugares. Durante o inverno a temperatura chega perto dos 5°C durante o dia e pode chegar abaixo de 0 à noite. Mas esta é apenas uma média, porque enquanto na capital Teerã durante o mês de janeiro fica abaixo de 0, nas praias da Ilha Kish a temperatura chega a agradáveis 30 graus, e se torna o principal destino turístico para os iranianos que querem fugir do frio.

Que época é pior para viajar?
Nowruz: o Ano Novo Iraniano (geralmente entre 20 de Março e 1º de Abril). Lembre-se que o feriado de Ano Novo no Irã dura 13 dias, então durante este período, aumenta a quantidade de voos domésticos no Irã, o que significa que fica mais difícil para os turistas conseguirem vagas em hotéis e mesmo que consigam os preços sobem muito! Durante esta época, a maioria dos bazares, escritórios e museus fecha, embora muitos pontos turísticos permaneçam abertos para visitação pública. De qualquer forma, durante este período, também é mais difícil encontrar passagens aereas, portanto o mais recomendável é evitar!

Que outra época devo evitar?
Ramazan: Este é o mês islâmico do jejum sagrado que varia a cada ano, por ser baseado no calendário islâmico (que é lunar). Durante este período, comer, beber e fumar em publico é proibido. Então, se você precisa comer, deve ir para o restaurante do hotel ou para alguns dos poucos restaurantes que trabalham nesta época.

Ponte Si-o-Seh, Isfahan 
Quanto devo gastar em média no Irã?
O Irã ainda é um dos países mais baratos do mundo para os turistas. Você pode aproveitar muito a viagem com menos dinheiro do que imagina. Portanto, se você escolher viajar independentemente, ao invés de optar por um pacote turístico, você pode calcular da seguinte forma:

- Hospedagem: hospedarias ou até mesmo um hotel 2 estrelas, com um bom serviço e banheiro privativo devem custar em média R$ 20 a 40 por pessoa, de acordo com a estação e o local. Para quem prefere um pouco mais de luxo e conforto, as diárias para uma pessoa variam de R$ 130 em um hotel 3 estrelas, R$ 180 em um 4 estrelas e chegam a R$ 360 em um hotel 5 estrelas. No entanto, os preços variam bastante de acordo com a temporada e os locais. 

- Refeições: se você for comer somente em restaurantes mais simples irá gastar em média de R$ 7,00 por refeição. Em restaurantes um pouco mais sofisticados, o valor por refeição varia de R$ 10 a 18. Se você tiver a oportunidade de ir a um mercado e comprar seus próprios alimentos para cozinhar, seus custos serão muito menores. 

- Transporte: Passagens de ônibus realmente são muito baratas e a qualidade do serviço é muito boa. Por exemplo, uma viagem de Teerã a Isfahan, cuja distância é aproximadamente  500kms , custa em média de R$ 8 a 15. Passagens aéreas também são incrivelmente baratas, o mesmo trajeto de Teerã a Isfahan, custa em torno de R$ 70. Se você precisar de táxi dentro das cidades, deve carregar algumas notas de  500 rials, um trajeto de 6,5km custa em média 50 a 70 centavos, que equivale de 5000 a 8000 rials.  Se você preferir contratar um motorista particular, deve gastar em média de R$ 150 a 200 por dia, dependendo do serviço cobrado.

Turista em Pasargada, província de Fars 
- Entradas em museus e locais turísticos: a maioria das entradas são grátis, mas nos locais onde são pagas, custam em torno de 1 a 2 reais, (10000 a 20000 rials). Há alguns lugares que custam um pouco mais, por exemplo o complexo palaciano de Saad Abad em Teerã, cuja entrada custa em média R$ 12-15, além de Pesépolis, local histórico próximo a Shiraz, que custa entre R$ 7-15 reais, de acordo com o número de espaços que  você irá visitar dentro do local.

- Guias turísticos: se você precisar de um guia local, talvez deva gastar em média de R$ 25 a 50 por dia.  

- Presentes e souvenirs: um pequeno objeto de  artesanato deve custar em torno de R$ 25 a 80. Um dos souvenirs mais desejados, como um legítimo tapete persa de seda, tamanho médio, custa em torno de R$1200.

- Cartões de Crédito: Atenção! Cartão de crédito para turistas é uma opção totalmente inviável. Um dos grandes inconvenientes é que você precisará carregar dinheiro vivo por toda a viagem. Você deve levar em dólares ou euros e trocar nas casas de câmbio e bancos por rials iranianos. Como a moeda é extremamente desvalorizada, se você trocar U$S 50,00 já estará milionário no Irã! Consulte um conversor de moedas para saber a cotação atualizada. 

- Como os turistas são tratados no Irã?
Não tenha vergonha de interagir com as pessoas no Irã. Os iranianos em geral são bastante comunicativos, especialmente os mais jovens adoram conhecer pessoas de outros países. Você terá chances de fazer amizades em qualquer lugar. Os iranianos adoram convidar os estrangeiros para visitar suas casas, o que significa uma oportunidade para experimentar uma maravilhosa comida caseira ou até mesmo passar a noite.  Recusar um convite pode ser grosseiro, a menos que você realmente não esteja se sentindo a vontade com a pessoa ou por alguma outra razão não pode aceitar, não diga não para um iraniano!


- Que tipo de roupa devo levar? 
Para os homens, camisetas, calças compridas e camisas sociais são boas opções. Já as mulheres obrigatoriamente  devem cobrir os cabelos com um lenço ou echarpe. As roupas também devem cobrir o corpo, como calças compridas, saias longas e batas ou camisão de mangas compridas (veja mais dicas no post Viajar para o Irã: O que as Mulheres devem saber).

Outras sugestões: 
1- Traga um ou dois conjuntos de roupas na mala e depois compre roupas novas nas lojas locais. O traje feminino mais comum no Irã é o manteau que pode ser encontrado em vários modelos e cores por um preço médio de R$ 25 a 70.
2- Se você vai viajar no inverno ou outono, você precisará trazer roupas apropriadas. As mulheres podem usar botas, sobretudos e echarpes de lã. Mas se você quiser, também poderá comprar roupas de inverno de boa qualidade no Irã.
3- Os calçados podem ser tênis,  botas, sapatos e sandálias, de acordo com o tipo de atividade e locais que você escolher visitar. Para caminhadas nos vilarejos e sítios arqueológicos, um par de tênis ou botas confortáveis são a melhor opção. 



Bem, essas são algumas das estimativas atuais, mas muitas das informações contidas aqui podem mudar ou variar de acordo com a temporada e ainda com o passar do tempo. Procure sempre informações atualizadas e na dúvida consulte agentes de viagem especializados. Safar bekheir! (Boa viagem!) 

Confira mais dicas importantes de viagem nos posts: 

Adaptado de  Iran Travelling Center


Imagens do Ta'zieh em Teerã

Ta'zieh é um típico teatro histórico e  religioso que na cultura persa simboliza o espírito  épico e a resistência. Entre os muçulmanos xiitas do Irã, é uma representação dramática da morte dos santos. A mais comum é celebrada no mês islâmico de Muharram que representa a Ashura, ou martírio de Hossein.
As fotos a seguir contam a história da batalha na cidade de Karbala no Iraque. Os personagens com roupas vermelhas representam o califa Yazid e suas tropas e os personagens com roupas verdes representam a  família de Hossein. Este tipo de teatro ficou mais conhecido a partir do século XVII na época dos Safavidas e as encenações são feitas nas ruas de um modo particular em cada cidade do país.
Um agradecimento especial à minha querida amiga Afsaneh por ter me permitido usar essas fotos que foram enviadas por sua família em Teerã. 










O Adeus à Morteza Pashaei

Morteza Pashaei (13/08/1984 – 14/11/ 2014)
Salam amigos! Faleceu nesta sexta-feira em Teerã, o jovem pop star iraniano  Morteza Pashaei, aos 30 anos de idade, devido a um câncer maligno no estômago. O artista será enterrado no próximo domingo no cemitério  Behesht-e Zahra, no sul de Teerã. 
Morteza contava com milhares de fãs iranianos ao redor do mundo. Seu interesse pelas artes surgiu já na infância. Ele começou sua carreira musical aos 14 anos tocando guitarra. Entre seus albuns mais conhecidos estão Gole Bita, Yeki Hast (Há Alguém) e Esme Eshqe (O nome do amor). Fonte: PressTV

Eu particularmente não conhecia o trabalho de Morteza Pashaei, mas deixo aqui minha homenagem a esse jovem talento que se foi tão cedo com sua canção To Rafti (Você se foi): 



Jornalistas iranianas ganham permissão para assistir volei


Salam amigos! A detenção da jovem anglo-iraniana Goncheh Ghavami, por ter assistido a uma partida de volei masculino no Irã, sem dúvida foi uma das notícias mais comentadas da semana. De fato, a entrada de mulheres em qualquer tipo de competição masculina em ginásios e estádios é totalmente proibida pelas leis da República Islâmica. Porém, não existe nenhuma restrição para que o público masculino assista as partidas das atletas iranianas que devem jogar utilizando um traje islamicamente correto. Mas depois de tantos protestos e pressões, parece que finalmente as mulheres, embora, uma seleta minoria de profissionais ganharão acesso a espaços antes restritos. Segundo esta notícia publicada hoje, as autoridades do Irã permitirão apenas que  mulheres jornalistas e fotógrafas possam cobrir partidas de vôlei masculino, que até agora só podiam ser assistidas por homens.
O Ministério de Juventude e Esportes concederá permissões as jornalistas e fotógrafas para comparecer a estes eventos esportivos, informou a agência de notícias estatal iraniana "Irna".
"O vôlei iraniano está sob pressão por parte da Federação Internacional de Vôlei (FIVB) por não permitir que mulheres entrem nos ginásios. Esta foi a razão pela qual o Irã não pôde sediar o campeonato mundial juvenil", informou recentemente a agência "Fars".
No início de novembro a justiça iraniana condenou a um ano de prisão Ghoncheh Ghavami, uma jovem de 25 anos com dupla nacionalidade, britânica e iraniana, depois de ela tentar assistir, como espectadora, uma partida de vôlei. Ghavami, estudante de Direito na Universidade de Londres e graduada na Escola de Londres de Estudos Orientais e Africanos, foi detida em 20 de junho após comparecer junto com várias ativistas de direitos das mulheres a um jogo da seleção iraniana de vôlei no estádio Azadi, em Teerã. As jovens se manifestaram fora do centro esportivo exigindo liberdade para que as mulheres possam ser público deste tipo de evento e várias delas foram detidas pelas Forças de Segurança.
Ghavami foi acusada de "propaganda contra o Estado" e passou parte de sua detenção em uma cela de isolamento na prisão de Evin, no norte de Teerã.A FIVB também pediu a libertação de Ghavami e lembrou que esta organização é comprometida com "a inclusão e os direitos das mulheres de participar dos esportes em base de igualdade".
No início deste mês a FIVB anunciou que o Irã não sediaria o campeonato mundial juvenil de 2015 (que acontecerá na Argentina) e que não poderá hospedar nenhuma outra competição internacional até retirar a proibição de as mulheres assistirem aos jogos.
Fonte: EXAME 


O Rio Zayandeh em Isfahan, de volta à vida!

O Rio Zayandeh, voltando a fluir, sob a Ponte Si-o-Seh em Isfahan
Salam amigos! Essa é uma notícia maravilhosa que merece ser comemorada: 
Na noite da última segunda-feira, as águas do Rio Zyandeh-Rud que atravessa a província de Isfahan, novamente voltam a fluir após um período de seca prolongada. Lembro-me, que quando visitei 2 das famosas pontes históricas da cidade de Isfahan no ano passado, só havia um solo seco e rachado onde as pessoas podiam caminhar a pé enxuto. Eu já tinha ouvido falar que as secas eram normais durante o verão, mas esta semana a população da cidade teve motivos de sobra para comemorar o renascimento do rio que havia sido represado. 
Veja algumas fotos do feliz retorno do Rio Zayandeh, próximo à Ponte dos 33 Arcos (Si-o-Seh), publicadas no site Tasnim News












Imagens do site: Tasnim News 


10 comidas iranianas que você deve provar!

Viajar para o Irã  pode oferecer uma experiência gastronômica sem igual. Ao contrário do que muitos pensam, nem só de kebabs com arroz vivem os iranianos. Podemos provar por exemplo, espécies de caviar e  peixes grelhados no norte; samosas e falafel no sul e  sabores exóticos de sorvetes como o de água-de-rosas por todo país. Além disso, o Irã possui um clima favorável ao cultvo de ingredientes nativos como pistaches, amêndoas, nozes, açafrão, menta, laranjas, romãs e uvas. Neste post vamos conhecer algumas das comidas iranianas mais apreciadas nos restaurantes persas do mundo! 

Fesenjan 

(Ensopado de Romã e Nozes)


 (Imagem do blog: Turmeric & Saffron)
Este prato é parte essencial de qualquer casamento persa. É feito com nozes moídas, pasta de romã e cebolas que são fervidas lentamente até formar um caldo grosso. Ás vezes são acrescentados açafrão e canela e talvez uma pitada de açúcar para quebrar a acidez. Já na antiga Pérsia o Fesenjan era apreciado, como mostram inscrições em tabuletas de pedra encontradas por arqueólogos nas ruínas da cidade de Persépolis datando de  515 a.C.

Khoresht Bademjan 

(Ensopado de Berinjela e Tomate)

(Imagem do blog: Cooking Idea)
Esta receita tem uma linda cor vermelho-dourada de tomates cozidos com curcuma, com um brilho oleoso. Levemente azedo, com o gosto do tomate, suco de limão e às vezes acrecido de uvas verdes, este sabor característico é colocado atenuado pela berinjela que é frita previamente até dourar e então cozida com as cebolas, o cordeiro e tomates. Como todos os ensopados persas, o  bademjan é feito para ser comido com arroz. 

Baghali Polo

(Arroz com Endro e Favas)

(Imagem do site: Darvish Restaurant)
Na culinária iraniana o arroz pode ser preparado simplesmente com manteiga e açafrão, o que é conhecido como chelo. Mas às vezes pode incluir outros ingredientes, o que é chamado de polo.  Um típico polo pode ser feita com ervas, vegaetais, feijão, castanhas, frutas secas, carne e até mesmo macarrão. O baghali polo é servido especialmente na primavera, a estação do endro e das favas. A receita  é salpicada com o endro verde e favas, e as vezes leva pequenos pedacinhos de carne de cordeiro. Também é misturado um pouquinho de açafrão no arroz antes de servir.

 Zereshk Polo 

(Arroz com Berberis)


Os iranianos adoram sabores azedos, especialmente uma frutinha vermelha conhecida como berberis ou zereshk. Esta receita clássica leva essas frutinhas que são secas e então reidratadas antes do cozimento. O arroz é cozido com bastante manteiga, que ajuda a suavizar o sabor das frutinha. Marmelo, ruibarbo, ameixas verdes, laranjas azedas, limas secas, cerejas azedas, tamarindo, sumagre e romã são outros ingredientes usados na culinária persa para deixar o sabor da comida mais azedinho.

Gormeh Sabzi

(Ensopado de Ervas Verdes)

(Imagem do site: Turmeric Saffron)
Feito com ervas, feijão e cordeiro, o gormeh sabzi satisfaz duas obsessões do paladar persa: é ao mesmo tempo azedinho e cheio de ervas. Este ensopado é temperado com limas secas conhecidas como  limu omani em persa. Estas limas são bastante azedas e fortes, com um sabor agridoce que confere ao ensopado um sabor único. Outro ingrediente bastante usado são as folhas de feno grego, um sabor desconhecido para a maioria dos ocidentais. Outras ervas usadas são a salsa, coentro e cebolinha.

Ash e Reshteh 

(Sopa de Feijão e Ervas com Macarrão)

(Imagem do site: Persian Recipes)
Uma sopa encorpada com bastante macarrão, feijão, ervas e verduras como espinafre e folhas de beterraba. O toque final é dado com óleo de menta, cebolas fritas crocantes e kashk (espécie de soro de leite fermentando cremoso similar ao iogurte). O macarrão que é oriundo da China, é conhecido por representar os muitos caminhos da vida, e esta sopa é servida tradicionalmente quando alguém está prestes a fazer uma longa jornada. Por causa de seu simbolismo, também é parte integrante do cardápio de Nowruz, o Ano Novo Persa. 

Tahdig 

(Arroz Crocante)

(Imagem do site: Kadbanou Gourmet Persian Foods)
O tahdig  é considerado a alma da culinária persa. Consiste na camada dourada e crocante de arroz frito no fundo da panela, e seu sabor parece uma mistura de pipoca e batatas fritas, mas com o delicado paladar do arroz basmati. Geralmente o tahdig não aparece nos cardápios dos restaurantes, então você deve perguntar se eles também é oferecido. Nas reuniões de família iranianas, sempre há bastante sobras de alimentos, mas a única receita que sempre acaba é o tahdig que é comido com as mãos e como um acompanhamento do prato principal.  

 Javaher Polo 

(Arroz com Castanhas e Passas)

(Imagem do site: NY Times)
Este prato é uma verdadeira jóia, pontilhado com frutas secas e castanhas brilhantes em uma combinação de sabores doces e salgados. Uma verdadeira mostra dos ingredientes nativos do Irã, incluindo pistache, amêndoas, cascas de laranja cristalizadas, berberis, cenoura e açafrão. O arroz é cozido com um pouco de açúcar para equilibrar o azedo das frutinhas. O Javaher Polo (que significa literalmente "arroz com jóias") é servido em ocasiões especiais como casamentos, porque seus ingredientes simbolizam uma doce vida. Tradicionalmente é servido com frango que contrasta  bem com os sabores adocicados.

Kebab 

(Carne de frango ou cordeiro assada no espeto)

(Imagem do site: Iran Chamber Society)
A variedade de kebabs é maior do que você pode imaginar. Por exemplo, o  koobideh, que consiste em carne moída temperada com cebola picada, sal e pimenta. Parece uma receita simples, mas o sabor é sublime! Também há o kebab-e barg, fatias finas de cordeiro ou bife, temperadas com suco de limão e cebola e regadas com açafrão e manteiga. O kebab de frango, conhecido como jujeh kebab, é tradicionalmente feito de um frango inteiro, com ossos e tudo, marinado em suco de limão e cebola, com molho de açafrão e manteiga. Veja outros tipos de kebabs no post: Um pouco da cozinha nacional do Irã

Sabzi Khordan

(Porção de Queijo com Ervas)

(Imagem do site: My Man's Belly)

Nenhuma refeição iraniana está completo sem uma porção de sabzi khordan, ou ervas comestíveis. O prato pode incluir hortelã, estragão, manjericão e coentro, acompanhado de cebolinhas, rabanetes, nozes, queijo feta e um pão iraniano nan. Esta porção serve para limpar o paladar entre os consumos de arroz e ensopados. Ervas frescas são consumidas diariamente no Irã. O cardápio de Nowruz, que celebra a renovação da vida, também inclui várias receitas com ervas verdes, representando a nova vida.


E aí, gostaram? Espero que todos tenham a oportunidade de apreciar estas delícias algum dia! Nushe jan (bom apetite em persa)! 

Adaptado de artigo no site  Food Republic


Breve História do Azulejo no Irã

Mesquita do  Imam em Isfahan 
A arte do azulejo (em persa kâshi) ocupa um lugar destaque entre as artes decorativas do Irã. Desde períodos muito antigos, os azulejos eram usados para decorar monumentos. Os ladrilhos foram o primeiro passo na evolução desta arte. Os primeiros exemplares foram encontrados nas colunas de um templo em Ubaid na Mesopotâmia, e foram datados de cerca de 2000 a.C, utilizando uma justaposição de pedaços de pedras coloridas, mármore e conchas formando padrões geométricos. 
Os primeiros tijolos esmaltados, que também podem ser considerado antecessores da arte dos azulejos, foi descoberta em locais como os palácios de Assur e Babilônia. Um dos exemplos mais antigos do uso de tijolos esmaltados na arquitetura iraniana , foram encontradas em Susa e Chogha Zanbil, também datadas do segundo milênio a.C. No período Aquemênida, o uso destes blocos decorativos nas cores amarela, verde e marrom se tornou difundida  nos palácios de Susa e Persépolis. Escavações em Firuzabad e Bishapur, também revelaram muitas evidências a arte do azulejo e ladrilhos com padrões florais, vegetais, geométricos, animais e figuras humanas durante o período Sassânida.

Soldados em tijolos esmaltados do palácio de Persépolis 
Foi durante o período islâmico do Irã que o a arte dos azulejos floresceu e se tornou a mais importante característica dos edifícios religiosos. Os fabricantes de azulejos iranianos eram requisitados nos mais remotos cantos do Império Islâmico.  Antes dos azulejos, como são conhecidos hoje, os tijolos e estuque eram as mais importantes técnicas de decoração de edifícios até os séculos X e XI.

Painel na mesquita Jame de Yazd
 Os azulejos da  Mesquita Jame de Yazd que datam do final do período Ilkhanida são um dos mais sofisticados exemplos de perfeição e beleza desta arte. Os painéis desta mesquita foram elaborados na técnica de Moraq (mosaicos) com pequenos pedaços de cerâmica previamente cortados, montados seguindo um padrão e preenchidos com um rejunte de gesso líquido. Assim que o gesso estava seco, o painel estava pronto para ser fixado sobre a parede do edifício. Entre outros famosos monumentos decorados com esta técnica estão a Mesquita  Goharshad em Mashhad (1418), a Mesquita Jame de Varamin (1322) e a  Madrassa de  Khan em Shiraz (1615).


Painel do palácio Chehel Sotun em Isfahan, técnica Haftrang ("Sete Cores")
No começo do período Safávida, uma outra técnica denominada  Haft Rang ("Sete Cores") surgiu na decoração de edifícios religiosos. Esta técnica se tornou popular em razão de seu baixo custo e rapidez e, além disso por permitir uma grande variação de motivos e desenhos. Os azulejos eram colocados juntos e então o desenho era pintado sobre ele com esmaltes. Cada azulejo era queimado e depois todos eram ordenados para criar um padrão final. Os padrões em arabescos eram extremamente populares. Este método de decoração foi popular até o final do período Qajar, quando o repertório de cores se estendeu passando a incluir o amarelo e laranja brilhante.

Azulejo lustre de Kashan, do período Ilkhanida
Outro importante tipo de decoração em azulejos nesta época era denominado lustre. Estes alcançaram seu auge no final do período Seljúcida e atingiram o mais alto grau de perfeição nos impérios Khorásmio e Ilkhanida. Os painéis de  lustre eram feitos nos formatos quadrado, retangular, octógono e poligonais. Eles continham motivos humanos, animais, florais e geométricos com inscrições nas bordas que incluíam poemas, provérbios e ditados atribuídos ao Profeta e outras figuras religiosas Muitos destes azulejos foram descobertos nas escavações em Takht Soleiman, especialmente no palácio de Abagh Khan e nas regiões de Gorgan, Kashan e Khorasan. Exemplares magníficos de lustre também podem ser encontrados no santuário do Imam Reza em Mashhad.

Interior do santuário do Imam Reza em Mashhad 
Outra técnica popular a partir do séc. XIII era a decoração em tijolos policromados e azulejos, que consistia na combinação de ambos os elementos na decoração de edifícios religiosos e não religiosos. Exemplos deste tipo de decoração são encontrados na Mesquita Jame de Varamin, no Domo de Soltanieh, na Mesquita de Ashtarjan e Mesquita Vakil de Shiraz.  A variedade de desenhos desta técnica incluía grandes inscrições conhecidas como Moqili, que podem ser vistas por exemplo na Mesquita Jame de Isfahan.

Fachada de azulejos na mesquita Vakil em Shiraz 
Entre os séc. VIII e X, a maioria das inscrições contidas nos azulejos incluíam ditados, provérbios, nomes de personalidades religiosas e invocações a Allah em estilo de caligrafia Kufi. O estilo caligráfico Shekaste Taliq se tornou popular entre os séc. XI e XIV, contendo versos de  poetas como Ferdowsi, Hafez, Molana Rumi e Baba Afzali Kashani. Posteriormente surgiu o costume entre os artesãos dos períodos Khorásmio e Ilkhanida de incluir a data e o nome do fabricante.  O mais antigo azulejo encontrado com  data  é de 1203. Na era Safávida passaram a ser usados os estilos de escrita Naskh e Thuluth e foram encontrados os trabalhos de famosos calígrafos como Alireza Abbasi, Mohammad Saleh Esfahani, Mohammad Reza Imami e Hossein Banna.
Não se deve esquecer que as técnicas dos azulejos e seus segredos comerciais foram guardados com segurança e passados oralmente de pai para filho e de mestre para estudante; por isso raramente encontramos documentos e tratados sobre a arte dos azulejos e mosaicos no Irã nos tempos passados.

Baseado em Iran Chamber


Cenas da vida urbana em Teerã

Esta série de fotografias revela o olhar do fotógrafo francês Boris Le Montagner em uma parada pelo Irã durante uma viagem da França até Índia. As imagens em preto e branco revelam contrastes e detalhes expressivos  da vida urbana na capital Teerã. 

O metrô de Teerã transporta aproximadamente 2 milhões de passageiros por dia 
Linha 5 do metrô de Teerã, inaugurada em 1999
Nos vagões mistos a maioria dos passageiros são homens
Também há vagões excluxivos para mulheres
Nos ônibus urbanos, as mulheres ficam na parte de trás...
Loja de comida em Teerã 
As romãs são uma das frutas favoritas dos iranianos
Uma menininha brinca na loja de tapetes
O rapazinho trabalha duro
Vendedor de legumes assados
Um artista de rua
Contrastes de qualquer metrópole do mundo 
Veja mais imagens no site: The Guardian