HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA FAQ CONTATO LOJINHA

Breve História da Moda no Irã

Pintura do palácio Hasht Behesht, da Era Safávida (séc. XVIII)
No Irã atual, as mulheres são obrigadas a vestir-se modestamente, mantendo os cabelos cobertos e usando roupas compridas e largas para ocultar a forma do corpo. Mas há aquelas que são ousadas ​​o suficiente para desprezar código de vestimenta da República Islâmica, correndo o risco de serem multadas, presas, e pior, até açoitadas. Mas mesmo com a ameaça de penalizações, muitas jovens iranianas trocaram o chador negro e vestidos compridos e disformes por  lenços coloridos e mantôs levemente ajustados ao corpo e na altura do joelho. Atualmente  esse é o código de vestimenta obrigatório para as iranianas e mulheres estrangeiras que visitam o Irã, mas  nem sempre foi assim na história persa.

A Moda na Antiga Pérsia
Trajes masculinos da Pérsia antiga
Em todo o mundo antigo, incluindo a Pérsia, homens e mulheres usavam maquiagem, jóias e adornos além de vestes elaboradas e coloridas. Ao invés de serem separadas por gênero, as roupas eram separadas pela classe social. Cerca de 2.500 anos de costumes e tradições já haviam sido estabelecidas no antigo Oriente Médio, quando a dinastia aquemênida foi fundada  (séc. VI a.C.). Embora o persas tenham incorporado a moda assírias, babilônicas e egípcia em sua cultura, eles também desenvolveram seus próprios estilos.
Contudo,  no início do Império Persa havia pouca distinção entre roupas para homens e mulheres. Os materiais mais comumente usados eram algodão e linho. Peles de animais e couro eram amplamente utilizados, e a maioria das famílias produzia sua própria lã que as mulheres eram encarregadas de  tecer. Com o enriquecimento do Império Persa, aumentou a demanda por tecidos mais nobres, como a seda vinda da China, ornamentações elaboradas, corantes raros e intrincados desenhos pintados à mão. Fios de ouro e prata  e outras cores como o lápis-lazúli azul, verde oliva, azul-turquesa e vários tons de marrom eram freqüentemente usados. Entretanto,  o roxo veio a ser associado com a realeza, enquanto o branco tornou-se uma cor religiosa. 
A cultura helenística introduzida na Pérsia por Alexandre, o Grande e a dinastia selêucida que se seguiu,  tornou os trajes gregos populares entre os persas. Da mesma forma, os gregos também foram influenciados pelos trajes persas. No entanto, foi somente com o domínio dos Partos que a moda persa se tornou popular em todo o continente asiático. Na  dinastia  seguinte, dos Sassânidas, houve uma retaliação contra as influências estrangeiras, que estabeleceu um período de grande esplendor da cultura e arte persa. Os membros das classes superiores tornaram-se extremamente ricos e ornamentavam-se com requintada elegância. 

Origem do uso do Véu na Pérsia

O véu já fazia parte da cultura do Oriente Próximo antes do Islã
O véu tem uma longa história no antigo Oriente Próximo, bem como na culturas do Mediterrâneo e ao contrário da crença popular, apareceu vários séculos antes do Islã.  Os reis assírios foram os primeiros  a isolarem suas mulheres em um harém real e a introduzirem o uso do véu no Oriente Médio. No entanto, prostitutas e  escravas, eram proibidas de usar o véu. Além do Oriente Médio, haviam mulheres que viviam veladas e isoladas também na Grécia clássica, no mundo cristão bizantino, na Pérsia e entre as castas mais altas na Índia. A chegada dos árabes e do islamismo na Pérsia alterou drasticamente a configuração religiosa e social, mas houve poucas mudanças nos estilos de roupas em geral. 
Ao contrário dos tempos modernos, os primeiros muçulmanos não eram excessivamente preocupados com vestuário feminino, na verdade, a prática de cobrir as mulheres decorre de costumes regionais, com a difusão do  Islã por todo o mundo antigo. Foi somente a partir do séc. II  que o véu islâmico se tornou comum para as mulheres muçulmanas.
Mesmo assim, apenas algumas mulheres das classes urbanas  se cobriam e viviam em reclusão. A maioria, que eram  mulheres rurais e nômades, não usavam o véu e o traje persa manteve-se mais ou menos o mesmo durante todo o século XII. Como descrito nos contos das  Mil e Uma Noites, as mulheres durante o  período abássida usavam um casaco aberto na frente sobre o vestido, e um lenço ou cinto amarrado na cintura. Mais tarde, a invasão dos turcos e mongóis da Ásia Central introduziu o bordado na Pérsia. Entre os séculos XVI e XVIII,  durante a dinastia Safávida, a moda persa retomou modelos da antiga Pérsia para livrar o país de influências turcas. As mulheres começaram a usar calças compridas, amarradas nos tornozelos e um vestido sobre as calças.
A moda persa sofreu poucas mudanças com a chegada do Islã
Homens e mulheres também usavam uma  espécie de manto como parte de seu traje público. A corte real e as mulheres nobres começaram a usar o véu e segregar-se do público durante a última parte da dinastia Safávida. Enquanto isso o primeiro chador que não era preto mas com diferentes padrões de acordo com as regiões,  foi usado na Pérsia a partir do século  XVI. O chador totalmente preto só surgiu no final do século XVIII e entre as classes superiores. No campo, as mulheres sempre usaram véus  com estampas brilhantes e coloridas para proteger os cabelos enquanto trabalhavam. 

 Modernidade e Ocidentalização
Traje feminino da era Qajar, influência européia
Com o passar dos anos o uso do véu tornou-se mais difundido na Pérsia. No entanto, os persas não eram imunes às influências da moda européia. No século XIX  muitos iranianos viajavam pela Europa e  Extremo Oriente, trazendo para seu país tendências estrangeiras e contemporâneas. Por exemplo, durante a dinastia Qajar, o governante  Nasser-al-Din Shah, após ter assistido a um espetáculo de balé durante uma viagem à Europa, ordenou que as mulheres de seu harém usassem saias curtas inspiradas nas bailarinas europeias. O  governante, modernista, Reza Shah também encorajou os iranianos a usar roupas europeias durante a dinastia Pahlavi. Além disso, ele acreditava que o código de vestimenta islâmico e o hejab limitavam a modernização do país e proibiu o uso do chador. Em 1936, ele ordenou que  a polícia arrancasse à força os véus das mulheres que os usavam em público.
A ordem do xá causou um grande alvoroço, principalmente entre muitas mulheres iranianas que viam no véu  um sinal de virtude, proteção e respeito. Diante deste decreto aberrante, muitas mulheres optaram por permanecer em suas casas durante meses. Outras, no entanto, ignoraram a lei e continuaram a cobrir-se com o chador. As iranianas consideradas mais cultas e modernas no entanto, abraçaram a nova moda ocidental. Embora o filho de Reza Shah, Mohammad Reza Pahlavi, tivesse retirado a proibição do chador na sua época apenas um número muito limitado de mulheres usavam esse tipo de véu. Na verdade, pouco antes de a Revolução Islâmica no final de 1970, os estilos de roupas nas ruas do Irã eram muito semelhantes aos de Paris ou Londres.

Iranianas nos anos  30, forçadas a abandonar o chador
Estudantes iranianas nos anos 70, antes da Revolução Islâmica

A Revolução e a Volta do Hejab


O chador é um símbolo da religiosidade e não uma veste obrigatória
A Revolução Islâmica ocorreu em 1979 e causou uma grande reviravolta na vida dos iranianos. Um novo governo islâmico estava agora no comando, e ele viu a ocidentalização do país como um fenômeno negativo. Logo veio a imposição de um hejab mais conservador  que o novo governo alegou, ser uma forma de demonstrar a singularidade e superioridade da cultura do país, ao invés de permitir que ele seja visto como  atrasado e inferior para a cultura do ocidente. Mais uma vez as mulheres se levantaram em protesto contra a nova decisão sobre o seu traje, mas as suas manifestações não foram bem-sucedidas na prevenção da imposição do hejab.

Hoje em dia, as mulheres iranianas permanecem divididas sobre o tema do hejab. Para algumas, o rígido código de vestuário continua a ser uma marca da opressão e estas encontram maneiras de se rebelar contra ele usando maquiagem exagerada e acessórios da moda sob seus mantôs. Porém, há outras que vêem  no véu obrigatório um sinal de respeito e virtude Há também aquelas que vem o uso do hejab como um sinal de integração, pois no passado ao usá-lo, as mulheres eram autorizadas a circular mais livremente do lado de fora de suas casas e buscar a vida profissional e pública. Da mesma forma, ao usar o hejab as mulheres se sentiram capazes de frequentar áreas que antes eram fechadas para elas, tais como cursos, grupos de discussão e atividades religiosas. As  conservadoras vêem a vestimenta islâmica como uma forma de protege-las do assédio sexual e objetificação de seus corpos.
Por fim, uma mescla de tradição e modernidade, do religioso e do secular, essa tem sido a moda iraniana. E por sinal vai continuar assim por muitos anos, assim como o país luta para combinar suas necessidades de uma identidade étnica e religiosa, juntamente com a sua necessidade de progresso e modernização.
A moda iraniana atual, entre o conservadorismo e a modernização
(Adaptado do artigo de Naw Diana Htoo para o site IranDokht)


2 comentários

  1. Salam, Jana Jan!

    Gostei muito do tom do verde...E da moda atual, meio "rebelde". rsrsrsrsr
    Você tem acompanhado o clima político no Irã? Parece que há um candidato muito conservador querendo ganhar fama.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salam azizam Denise!
      Eu acredito que o que torna o mundo mais belo é a capacidade que alguns tem de ousar e outros de manter suas tradições. Não sou a favor do conservadorismo extremo nem da banalização da liberdade, mas cabe a cada um achar o seu ponto de equilibrio né?
      Tenho acompanhado somente de relance o clima político no Irã, mas não temos como julgar até que ponto esse tal conservador será bom ou prejudicial para seu país...

      Excluir