HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA FAQ CONTATO LOJINHA

Entrevista com o diretor Asghar Farhadi

O diretor Asghar Farhadi
Ele entrou para a história, ao ser o primeiro diretor iraniano a ganhar o Oscar de melhor filme estrangeiro em 2012. E este ano,  Asghar Farhadi  aos 41 anos, leva mais um premio histórico para sua carreira, e para o cinema iraniano. A atriz franco-argentina Berenice Bejo que atuou no último filme de Farhadi, intitulado de Le Passé ("O Passado") levou o prêmio de melhor atriz no 66º Festival anual de cinema de Cannes. Em uma entrevista para o site The Hollywood Reporter o diretor Farhadi falou sobre a censura no Irã, a possibilidade de futuros projetos, a esperança de obter novos prêmios e a condenação por parte do Irã ao vencedor do Oscar 2013, Argo:

The Hollywood Reporter's: Você foi o primeiro diretor iraniano a ganhar um Oscar por A Separação, no ano passado. Como você se sente sobre isso?

Asghar Farhadi: Foi muito agradável. Foi uma grande experiência, porque, como um diretor iraniano, eu sabia que iria trazer muita alegria para o meu povo, o público iraniano, e que iria significar muito para eles. Mesmo agora, eu acho que a alegria que dei a meu povo o torna uma das maiores lembranças da minha carreira e vida. Além disso, o filme teve o mesmo tipo de reação nas plateias do Irã, dos EUA e em todo o mundo. O que também teve um significado muito particular para mim. Isso foi muito agradável.

THR: O seu novo filme "O Passado", que fez parte da competição em Cannes, já está chamando a atenção. Alguma esperança para o Oscar?

Farhadi: Eu tento evitar pensar nisso. Não que não seja importante. Acho que todo o ser  humano aprecia ser incentivado e reconhecido. Mas eu tento não ter qualquer expectativa. Então, se isso acontecer, será o melhor. E se isso não acontecer, eu não estou perdendo nada.

THR: Você fez "O Passado" na França e com uma estrela bem conhecida, Berenice Bejo. Podemos esperar  vê-lo trabalhar com outras estrelas internacionais ou até mesmo fazendo um filme de Hollywood no futuro?

Farhadi: Eu sempre tento não responder a esta questão muito claramente, porque você nunca pode ter certeza. Mas devo dizer-lhe que há um projeto que é muito importante, com estrelas e atores importantes que eu gostaria de fazer, mas eu ainda não sei se vai ser meu próximo filme ou um outro. Ainda estou pensando sobre isso e ainda estou pensando sobre a história que vai ser contada. Este é o primeiro passo.

THR: O que você pode nos dizer sobre as histórias dos dois próximos filmes que você acabou de mencionar que espera fazer?

Farhadi: Tudo o que posso dizer é que será a continuação do que tem sido o meu  caminho até agora. Não vou seguir por uma direção diferente. Mas se você não se importa,  não vou dizer mais, de modo que a medida que você descobrir mais sobre ele ainda será interessante.

Os protagonistas do filme "O Passado", Tahar Rahim e Berenice Bejo
 com o diretor Farhadi no Festival de Cannes 2013
THR: Há algum ator com quem você gostaria de trabalhar? 

Farhadi: Bem, há muitos atores que eu realmente gosto e cujo trabalho admiro. Mas nunca começa dessa maneira. Eu sempre começo com a história. Eu nunca penso em um ator e, em seguida, escrevo uma história para um ator específico. Sempre começa com a história, e uma vez que tenho a minha história, eu tento  achar um dos atores que tenho guardados na minha mente, que eu tenha gostado bastante para sentir que quero trabalhar com ele, e depois  tento colocá-lo na história.

THR: Qual foi a diferença de filmar "O Passado" na França? Será que isso o ajudou a lidar com a censura ao voltar para casa ?

Farhadi: Eu recebo essa pergunta muitas vezes, se o estrangeiro mudou a minha forma de trabalhar, especialmente devido às restrições e ao fato de que eu tinha menos restrições aqui. A única imagem que eu talvez possa usar para tentar dizer o que eu sinto é que, se você anda da mesma forma há 40 anos, e de repente, eles o colocam em um caminho que é mais plano, mais confortável, menos arriscado, você não muda o seu jeito de andar. Você ainda vai trilhar o mesmo caminho. A diferença é que  apenas você pode se sentir mais tranquilo ou mais confortável, por causa do novo caminho. Devo dizer que aqui na França eu tinha mais serenidade e segurança, quando eu estava trabalhando, porque eu sabia que eu estava fazendo o filme do jeito que eu queria e que o filme seria visto em última instância, o que nem sempre acontece no Irã. No Irã, você sempre trabalha tendo em mente essa preocupação de "serei capaz de continuar o projeto como  desejo e será que o público verá o filme?" Aqui, eu não tenho essas preocupações, com certeza.

THR: Como é que a censura no Irã trabalha esses dias? Há algum sinal de que o sistema está se tornando mais aberto ou mais restritivo?

Farhadi: O sistema passou a ser muito imprevisível. Você não pode dizer como ele é, você não pode descrevê-lo, porque ele está mudando o tempo todo. É uma nova história a cada dia. E talvez isso é o que torna mais difícil para nós. Se não houvesse regras específicas, gostaríamos de saber como lidar com elas ou evitá-las. Considerando, atualmente, a sua situação depende do humor das pessoas que tomam as decisões. Então, um dia, ele é mais aberto, e outro dia, de repente, é mais restritivo. E isso é o que torna muito difícil e imprevisível. Você tem que apresentar um filme duas vezes - primeiro como um projeto quando o roteiro está escrito e, em seguida, pouco antes de liberá-lo. Estes são os dois momentos cruciais que temos. Visto de fora, talvez, pode ser muito surpreendente como sob tal pressão, é possível ainda fazer filmes que têm um impacto e que dão uma sensação de liberdade e força. Isto é porque os nossos cineastas e artistas em geral continuam lutando e encontrando formas de evitar a censura e criando apesar de todas essas restrições. Às vezes eles falham, às vezes eles conseguem.

THR: Os filmes iranianos tem ganhado prêmios, incluindo o Oscar e em festivais ao redor do mundo. Por que você acha que os cineastas iranianos agradam tanto no exterior?

Farhadi: Você deve saber que o Irã tem um grande número de produções. Muitos filmes são liberados. A maioria deles, assim como no resto do mundo, são películas comerciais e superficiais. Estes são os mais populares. E há uns poucos que realmente desenvolvem aspectos mais profundos e pensativos da vida. Apenas alguns desses filmes viajam para fora do Irã. Há ainda grandes diretores iranianos que não são conhecidos fora do nosso país. Bons filmes têm que ir para fora do Irã. E isso é muito importante para o público iraniano, porque é um caminho para que o resto do mundo conheça de forma diferente e tenha uma imagem diferente do Irã e do povo iraniano do que aquela que é dada pela política. O público iraniano têm uma relação forte com esses filmes que viajam.

THR: O Irã condenou a premiação do Oscar para Argo. O que você pensa sobre essa controvérsia?

Farhadi: Eu acho que o povo iraniano e os espectadores não têm nenhum problema com o fato de um filme americano tratar de um evento histórico iraniano e que eles queiram  descrever este evento da maneira como eles acham que isso aconteceu e descrevam as pessoas que passaram por isso. O problema para o povo iraniano é que as pessoas de fora da embaixada, as pessoas nas ruas, as pessoas na vida cotidiana são mostradas exatamente da mesma maneira clichê e muito negativa, como as pessoas que realmente estavam envolvidas no caso da embaixada. E isso é algo que é muito difícil de digerir para o público iraniano. Se um filme estrangeiro está lidando com um fato iraniano, por que eles têm  uma abordagem superficial e imprecisa do povo iraniano?

(Adaptado da entrevista de Georg Zsalai para o site The Hollywood Reporter)


2 comentários

  1. Agora é só esperar O Passado aqui pra gnt tomar um chá enquanto assiste! Adorei a matéria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salam Lidiane! Para mim o diretor Farhadi é muito inteligente e merece o reconhecimento que tem. Espero também que O Passado venha para nossas telas!
      Abraços!

      Excluir