HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA FAQ CONTATO LOJINHA

Ajudando a desmistificar o Irã


Salam, recentemente li um artigo do jovem jornalista iraniano Kourosh Ziabari intitulado "O Irã não é como pensávamos". Me chamou  a atenção como a mídia faz um alarde sobre os problemas políticos do Irã, mas poucos divulgam o que realmente se vê de bom dentro deste país. Aqui  vão alguns trechos interessantes:

Embora a implacável e incessante guerra psicológica dos principais meios de comunicação do Ocidente transformem o Irã em uma região perigosa e  insegura aos olhos da opinião pública mundial, milhares de turistas ocidentais "assumem o risco" de viajar para o Irã a cada ano para ver com os próprios olhos o que não se mostra na realidade sobre o pacífico e grandioso Irã , cujo presidente linha-dura é  idiotamente categorizado como uma parte do chamado "Eixo do Mal".
Os cidadãos norte-americanos, franceses, alemães,  britânicos e australianos que, voluntariamente, viajam para o Irã para descobrir a face oculta desta antigo país geralmente acabam confessando que o Irã não é aquilo que pensavam. A interessante semelhança entre os pontos de vista e  declarações dos cidadãos ocidentais que descobrem que os seus preconceitos e pré-julgamentos sobre o Irã são absolutamente infundados  ao visitarem o país revela claramente o fato de que a mídia  ocidental está retratando o Irã de forma antagônica e isso é simplesmente uma doutrinação enganosa para audiências globais que não têm informação suficiente sobre o Irã, sua antiga civilização, história e seu desenvolvimento contemporâneo.

Os turistas estrangeiros, especialmente os jornalistas e artistas que vêm ao Irã para analisar a veracidade da propaganda da mídia de seus países, geralmente se surpreendem  ao admirar ao esplendor do Irã, o seu patrimônio cultural, os avanços industriais e belezas naturais.

A opinião dominante da grande mídia ocidental  em relação ao Irã é a mera demonização e nada mais. Eles nunca fizeram um documentário sobre as antigas construções do Irã, sequer mostram suas mesquitas e palácios gloriosos e jamais mostraram os jovens gênios e talentos iranianos. Eles nunca permitem que qualquer coisa sobre os avanços científicos e artísticos dos iranianos sejam divulgados. Nunca permitem que seu público saiba que do Irã vêm os tapetes, o açafrão e o pistache. Sua programação esconde do público o que exalta o Irã e maliciosamente exagera o que há de ruim.
No entanto, aqueles que viram de perto as verdades distorcidas sobre o país podem  avaliar melhor a autenticidade do que mostra sua mídia. 
Em abril de 2009, um grupo de nove estrelas de cinema  e diretores americanos dirigidos por Sid Ganis, o ex-presidente da Academy of Motion Pictures Arts and Sciences, viajou ao Irã para compartilhar experiências com os ativistas e cineastas do cinema iraniano. Ao retornar para os EUA, Sid Ganis deu uma entrevista para o  Foreign Policy Journal  e confessou que o Irã era totalmente diferente do que ele imaginava: "Fomos recebidos de forma extremamente calorosa e hospitaleira pelos cineastas do Irã, e as pessoas em  geral. Onde quer que fôssemos, as pessoas se aproximavam de nós para falar conosco e tirar fotos ... os iranianos são muito sofisticados, pessoas educadas, cultas e têm acesso a muito mais meios de comunicação ocidentais e tecnologia do que qualquer um de nós imaginava. O Irã é tão raramente visitado por norte-americanos, e há tantos preconceitos, que é difícil obter uma imagem fiel sem realmente ir para lá . Todos os dias, e praticamente a cada hora, encontramos algo que era interessante, extraordinário ou surpreendente sobre o Irã ", disse Ganis.
Em entrevista à Revista Ovi da Finlândia , a jornalista neozelandesa Jill Worrall que viajou para o Irã em 2009,  descreveu seus sentimentos sobre o Irã e a guerra psicológica que é orientada em direção ao seu povo: "Eu nunca acreditei no rótulo" eixo do mal" (...) Eu passei mais de 20 anos como jornalista e percebi há muito tempo que ha muito diferença entre o que é retratado na mídia e o que é realidade . Eu também acredito que antes de fazer qualquer comentário sobre um país,  em primeiro lugar você deve visitá-lo , ver por si mesmo e conversar com as pessoas de lá. "

"Concordo em absoluto que o Irã é o país mais mal compreendido do mundo - na minha experiência, pelo menos(...) É verdade que até mesmo muitos neozelandeses, que são conhecidos como bem viajados, muitas vezes acham que estou indo para o Iraque e, como você já sabe, muitas pessoas erroneamente se referem a ele como um país árabe ", ela acrescenta.

 Declarações  como estas foram feitas também pelo escritor americano Rick  Steves que viajou para o Irã em novembro de 2009 e escreveu em seu site pessoal: "Isfahan, Irã"  com 3,5 milhões de habitantes, é uma vitrine do antigo esplendor persa. Uma das cidades mais bonitas do mundo islâmico, e famosa por seus deslumbrantes cúpulas de azulejos azuis e pontes românticas, a cidade  é simplesmente maravilhosa. Eu não estou surpreso que no Irã, este é o destino  favorito para uma  lua de mel. "

Outro americano notável ​​que opinou sobre  sua experiência de viajar para o Irã  foi Shannon Kelley, o diretor de programação do Festival de Cinema Internacional Morelia, que participou  como convidado da primeira edição do Cinema Verite Festival Internacional de Documentários em Teerã. Kelley acredita que o Irã é um país maravilhoso: "Eu achava que ia ser impossível conversar com alguém, ou que eu poderia ser visto com hostilidade, por causa dos excessos da imprensa internacional, mas ao contrário, encontrei uma comunidade de pessoas hospitaleiras,  incluindo completos estranhos que se aproximavam de mim com grande energia e bondade. Passei um lamentavelmente curto período de tempo no Irã, mas o meu ponto de vista sobre o que é possível entre nós mudou dramaticamente, para melhor! "


E concluindo com algumas palavras do jornalista, "estes foram apenas alguns exemplos entre milhares de pessoas que visitaram o Irã". Por isso, senti a importância de compartilhar este tipo de opinião, ao invés de acreditar nas notícias que nos chegam através da unilateral mídia americana. Como não é possível  ir sempre até outro país para conhecer o que de fato é verdade, podemos garimpar boas informações e divulgá-las  com maior frequência também.

Adaptado de Veracity Voice


2 comentários

  1. A é ? E quanto à falta de liberdade de expressão ? o que me diz disso ?...não somos nós que não os compreendemos , são eles que não querem compreender a ninguém. Tudo bem , eu até entendo que a mídia não fala das belezas iranianas , mas é por que os horrores iranianos chamam muito mais atenção , como por exemplo suas execuções públicas , à céu aberto , ou vai me dizer também que são uma farsa, que elas não acontecem ??..Vai dizer também que é invenção americana ???..pense nisso !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bruna, em primeiro lugar, é necessário saber distinguir, o que é a política do Irã e o que a cultura do Irã. Você entende bem essa diferença? A intenção do blog não é negar que tais horrores aconteçam, mas propor uma visão diferente da que estamos acostumados a ver na mídia e desde que criei esse blog deixei claro que falar de política não é da minha alçada. Na minha sincera opinião é a supervalorização do horror que continua dominando a mídia e fazendo ela lucrar. E existe uma diferença entre falta de liberdade e restrição à liberdade. No Irã existe a restrição, mas é um país onde existe muita expressão em meio à limitação e é isso que eu quero mostrar aqui. Ficou claro?

      Excluir