HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA CONTATO APOIE

9 ANOS DO CHÁ-DE-LIMA DA PÉRSIA: histórias de amor e amizade entre Brasil & Irã

 

Salam amigos! É com muita alegria que neste dia 24/01/2021, comemoramos os 9 anos do blog Chá-de-Lima da Pérsia.

E a nossa homenagem aos queridos leitores amigos da Pérsia deste ano vai trazer as histórias de viagens, interesses culturais, amizades e amores entre Brasil e Irã. Prepare seu coração! 

















Esta é uma sincera homenagem a todos os leitores, amigos e parceiros que acreditam, apoiam, participam e contribuem com alegria, com o nosso trabalho. Graças a nossa paixão e dedicação, há 9 anos somos a mais completa fonte de conteúdo exclusivo sobre cultura iraniana em língua portuguesa da internet.

Com amor e gratidão por mais um ano,
💖 Janaina Elias 


O Festival de Bahmanagân


Salam amigos! Hoje, vamos recordar uma data especial do antigo calendário iraniano: o festival de Bahmanagân. Este festival é celebrado no segundo dia do mês de Bahman (que corresponde a 21 ou 22 de janeiro do nosso calendário).

Na religião ancestral do Irã, o zoroastrismo, o arcanjo Bahman ou (Vohu Manah, no persa antigo) que dá nome a este mês é considerado o guardião dos animais. Por isso, o festival de Bahmanagân é lembrado como um dia em que as pessoas evitavam comer carnes e abater os animais. Alguns zoroastrianos continuam a se abster de carne e matar animais durante todo o mês de Bahman. 

Outros símbolos do Bahmanagân são a cor branca, a flor de jasmim e o galo que representam o anjo guardião do mês de Bahman. 

Representação do Bahmangân em um relevo de Persépolis 

Costumes e tradições do Bahmanagân

De acordo com os historiadores persas Biruni e Gardizi, nesta data, na região de Khorasan (atual nordeste do Irã), era costuma preparar uma variedade de carnes (provavelmente abatidas antes da data) e todos os tipos de grãos, vegetais e frutas eram cozidos juntos em uma panela chamada dīg-e Bahmanjana (pote de Bahmanagān). As pessoas se deliciavam com esse prato que também era muito vendido no bazar. 

Outro costume deste festival era comer as flores vermelhas da "planta de Bahman" (uma espécie de cenoura silvestre) e as folhas da arruda silvestre (sepand), que eram espalhadas na comida, adicionadas aos ingredientes da panela e também comidas com açúcar ou leite. Acreditava-se que essas misturas fortaleciam a memória e também espantavam o mau-olhado. 

De acordo com o dicionário Borhân-e ghâte, acreditava-se que o dia de Bahmanagân era especialmente auspicioso para colher plantas e raízes medicinais, para extrair óleos e fazer perfumes. O dia também era recomendado para vestir roupas novas, aparar as unhas e os cabelos.

Esses costumes originavam-se da crença dos zoroastrianos de que cada um de seus dias sagrados tinha um caráter especial, tornando-o apropriado para uma tarefa específica. Hoje, no entanto, as observâncias detalhadas do festival desapareceram até mesmo entre os zoroastrianos, embora o Bahmanrūz continue a ser um dia especialmente sagrado para eles.

Imagem do site Pars History 

Bahmanagân na história do Irã 

O Bahmanagân foi um dos festivais zoroastrianos que os iranianos muçulmanos ainda mantinham no período islâmico, até a invasão mongol em 1219. As festividades desta data eram celebradas tanto entres as classes do povo, como nas cortes reais. 

Alguns historiadores até mesmo chegaram a confundir esta data com o Jashn-e Sadeh, outro festival zoroastriano importante realizado no décimo dia, deste mesmo mês de Bahman.

Zoroastrianos do Irã celebram o Bahmangân (imagem do site p30iran.com)

 Bahmanagân no Irã de hoje 

Atualmente, embora pouco lembrado o moderno festival que também é conhecido como Bahmanruz continua a ser um dia  sagrado para a comunidade zoroastriana no Irã. 

Em 2016, ativistas do meio ambiente e dos direitos dos animais no Irã  nomearam o dia 16 de janeiro como o “Dia Nacional dos Animais” por se tratar de uma data próxima ao Bahmanagan e por seu significado especial na cultura persa (fonte: Tasnim News).


🔗Artigo adaptado de Encyclopaedia Iranica 

💞 Este é um artigo inédito em língua portuguesa que você só encontra aqui no blog Chá-de-Lima da Pérsia. Se você também é fã da cultura do Irã e considera importante o nosso trabalho, saiba aqui como você pode apoiar o blog. 


PARTICIPE! Aniversário de 9 anos do blog Chá-de-Lima da Pérsia


Salam amigos! No dia 24/01/2021, vamos comemorar o aniversário de 9 anos do Chá-de-Lima da Pérsia, o único blog dedicado a divulgação da cultura do Irã no Brasil. 

Para comemorar este dia, estou preparando um homenagem especial para os amigos e colaboradores que me ajudam e me motivam a manter estre trabalho, tornando a cultura do Irã cada vez mais conhecida e admirada pelo público brasileiro.  

E você também está convidado para participar dessa homenagem, enviando o seu depoimento declarando o seu amor pela cultura do Irã. 

Pode ser: a sua história de amor ou de amizade, o seu interesse acadêmico ou o seu relato de viagem, enfim qualquer história que expresse o seu carinho e admiração pela cultura do Irã!

🙋 QUER SABER COMO PARTICIPAR? 

Envie o seu depoimento em formato de fotos, textos, vídeos ou até mesmo uma arte sua inspirada na cultura do Irã, ou o que mais a sua imaginação mandar, para o e-mail: chadelimadapersia@hotmail.com.

O PRAZO PARA ENVIO dos depoimentos será até 22/01.

🎂 COMO SERÁ A HOMENAGEM NO DIA DO ANIVERSÁRIO DO BLOG?

No dia 24/01, no aniversário do blog, eu vou postar uma apresentação especial com todos os depoimentos.
Provavelmente, neste dia também farei uma live para bater um papo com vocês, respondendo a todas as perguntas e também para nos conhecermos melhor! (o horário será divulgado na semana que vem). 

NÃO PERCA  a homenagem especial de aniversário dos 9 anos do blog Chá-de-Lima da Pérsia!

👉 Siga também as nossas páginas no Facebook, Instagram e Youtube 


Como eu atravessei o ano de 2020


Salam amigos da Pérsia! Como vocês atravessaram o ano de 2020? Este ano em que enfrentamos uma pandemia e em que muitos de nós enfrentamos também o isolamento social, como medida preventiva a COVID 19, além da distância dos nossos amigos queridos e a impossiblidade de participar de eventos presenciais.

Neste vídeo, vou contar para vocês como foi que eu, Janaina, a Moça do Chá, atravessei esse ano:

Quais foram os meus maiores desafios? 

Quais foram as minhas descobertas e aprendizados?

E o que estou planejando para 2021?

Vem comigo que eu te conto  tudo no  Vlog do Chá:

🔔 Não deixe de se inscrever no canal do Chá-de-Lima da Pérsia e ativar o "sininho" para receber as notificações de novos vídeos! 

Um Feliz Ano Novo de 2021, 
com desejos de Paz, Saúde e Prosperidade
 para os amigos do Brasil, do Irã e de todo o mundo! 

🎇 سال نو مبارک 🎇


Feliz Natal 2020!


🌟 Feliz Natal! 🌟
کریسمس مبارک 

Mesmo que estejamos distantes fisicamente, acredito que nossos corações estão conectados pela mesma energia que une todas as partículas do Universo. 

Que o Natal renove nossas esperanças e preencha nossos corações de paz e amor! 

💞  São os sinceros votos do Chá-de-Lima da Pérsia para todos os amigos do Brasil, do Irã e do mundo todo!


Shab-e Yalda: a noite mais longa do ano


Hoje, os iranianos comemoram a Yalda, como é popularmente chamada, a noite mais longa do ano no Hemisfério Norte, ou seja, na véspera do Solstício de Inverno.  Dependendo da mudança do calendário, é comemorada entre 20 e 21 dezembro a cada ano.

Origem e significado da Yalda

A tradição da Shab-e Yalda (em persa "Noite de Nascimento") ou Shab-e Chelleh ("Noite dos Quarenta dias de inverno")  remonta aos tempos antigos. Os zoroastrianos acreditavam que era a noite do nascimento de Mitra, divindade persa da luz e da verdade.

Após a queda do Império Sassânida e com a chegada do Islã na Pérsia, o significado religioso do evento foi perdido, e como outros festivais zoroastrianos, Yalda tornou-se uma ocasião social da cultura iraniana, quando amigos e família se reúnem. No entanto, o costume de comer frutas frescas durante o  inverno é uma reminiscência do antigo ritual de invocar as divindades para pedir proteção.

O poeta  Saadi (séc. XIII) escreveu em seu Bustan: "A verdadeira manhã não virá, enquanto a noite de Yalda não se for".

Tradições da Yalda: Adivinhar a sorte através do Divan de Hafez

Costumes e tradições 

Nos dias atuais, embora a Yalda não seja um feriado oficial no Irã, as famílias continuam as tradições, assim como programas de rádio e televisão fazem uma programação especial.

Em muitas partes do país as famílias se reúnem e desfrutam de um bom jantar e muitas variedades de frutas e doces especialmente preparados para a ocasião são servidos. Em algumas regiões, acredita-se que  devem ser servidos 40 variedades de alimentos durante a cerimônia da Yalda. A fruta mais típica é a melancia, pois acredita-se que esta garante a saúde e o  bem-estar. 

Nesta noite, o membro mais velho da família faz preces, agradecendo a Deus pelas bênçãos do ano anterior, e reza pela prosperidade no ano que vem. Então ele corta a melancia e distribui a todos. 

Depois do jantar, as pessoas mais velhas contam histórias. E também, outro passatempo favorito desta noite é a adivinhação da sorte através do livro Divan de Hafez. Porém segundo a crença, ninguém deve tentar ler sua sorte mais de três vezes por esse livro, se não o poeta pode ficar bravo! 

Há outras crenças mágicas associada com a alimentação na noite de Yalda. Por exemplo, em Khorasan há uma crença de que quem come cenouras, peras, romãs e azeitonas verdes estará protegido contra a picada de insetos prejudiciais, especialmente escorpiões. Comer alho nesta noite protege contra dores nas articulações, etc.

Representação da Korsi,a tradicional mesa da Shab-e-Yalda

Os alimentos típicos da celebração da Yalda são normalmente colocados no korsi, uma peça de mobiliário tradicional semelhante a uma mesa baixa, coberto por cobertor. As pessoas se sentam em torno do Korsi e colocam as pernas debaixo do cobertor. Debaixo do korsi, o calor é gerado por meio de um aquecedor elétrico, a carvão ou a gás. 

Nesta noite, as noivas
recebem um presente do noivo
Outros costumes que fazem parte da Yalda são ficar acordado até a meia-noite, conversar, comer, ler poemas em voz alta, contar histórias e piadas, fumar ghelyoon (espécie de arguile) e dançar. 

Antigamente, quando não havia eletricidade, a decoração e iluminação das casas eram feitas com velas, mas poucos continuam a seguir esta tradição. Outra tradição que está desaparecendo consiste em presentear amigos e família com pacotinhos de frutas secas e castanhas. Antes da proibição islâmica do álcool, beber vinho também era parte desta celebração (porém no Irã, muitos continuam a adquirir bebidas alcoólicas por meio de contrabando ou produzindo em suas próprias casas).

Outra prática comum na noite de Yalda entre os jovens noivos é enviar uma bandeja contendo sete tipos de frutas e uma variedade de presentes para as suas noivas. Em algumas regiões, a moça e sua família retribuem o favor enviando presentes de volta para o rapaz.

Yalda no Irã de hoje

A noite de Yalda foi oficialmente adicionada à Lista de Tesouros Nacionais do Irã em uma cerimônia especial em 2008.

Fora do Irã, muitas famílias tradicionais também comemoram a Yalda de muitas maneiras diferentes. Alguns se vestem com trajes típicos e fazem até Korsi improvisado para relembrar as tradições de sua terra natal.  Enquanto outros, apenas dão um telefonema  desejado um feliz Yalda feliz ou compartilham seus votos nas redes sociais.

Desejo a todos os amigos da Pérsia, uma feliz Shab-e-Yalda!
شب یلدا مبارک

🔗 Fonte: Wikipedia|Yalda

💞 Se você também é fã da cultura do Irã e considera importante o trabalho do Chá-de-Lima da Pérsia, saiba aqui como você pode apoiar o blog.